Análise: em eliminação da Copinha, Botafogo joga mal, sucumbe ao calor e ao Red Bull Bragantino

32 comentários

Blog da Redação

Blog da Redação

Compartilhe

Elenco em Botafogo x Red Bull Bragantino | Copinha 2023
Reprodução/SporTV

Debaixo de sol forte em São Carlos, o Botafogo deu adeus à Copa São Paulo de Futebol Júnior. O Alvinegro perdeu para o Red Bull Bragantino por 1 a 0 e foi eliminado na terceira fase da competição. Os jogadores deram sinais de desgaste e não conseguiram competir no mesmo nível do adversário. Em um time com poucos destaques individuais, ficou evidente ainda a falta de soluções no banco para transformar a equipe em uma situação de desvantagem.

O treinador Thiago de Camillis repetiu a escalação titular da vitória sobre o Lemense na última sexta-feira. O desempenho discreto de Brendon e as boas apresentações de Rhuan Lucas e João Felipe poderiam justificar uma mudança de sistema para uma trinca de meias, no mesmo sentido da declaração recente de Luís Castro sobre a atuação com dois “camisas oito”, dois meias interiores que reforçam o meio-campo e fazem o trabalho de área a área.

Análise Botafogo x Red Bull Bragantino - Copa São Paulo de Futebol Júnior

A exemplo do último jogo, o Botafogo impôs logo de início seu modelo de jogo baseado em posse de bola e troca rápida de passes. No entanto, o Alvinegro buscou corrigir um problema apresentado em Leme, quando o time concentrou demais os jogadores e as ações ofensivas pela faixa central do campo, o que diminui os espaços no campo e facilita a marcação do adversário. Sapata e Léo Pedro gostam de flutuar da ponta para o centro do campo, seja com a bola nos pés procurando espaço para a finalização ou sem a bola em busca de maior envolvimento na posse da equipe. Essa postura exige maior participação dos laterais no ataque para preencher as beiradas do campo. Nos primeiros cinco minutos do confronto deste domingo, o lateral-direito Bernardo chegou três vezes na linha de fundo.

Depois de 12 minutos iniciais de controle do Glorioso, o Bragantino entrou no jogo. Apostando em um jogo direto e vertical, os paulistas encaixaram o tempo certo de movimentação e velocidade dos passes em profundidade, passando a explorar com frequência o espaço às costas da defesa alvinegra. Nesse cenário, Kawan e Reydson ficaram muito expostos e foram batidos, recorrentemente, pelos velozes atacantes adversários.

Aos poucos, com a maior pressão do Red Bull na marcação, o Botafogo deixou de encontrar as linhas de passe, voltou a focar as ações na faixa central do campo e o jogo parou de fluir. Aos 28 minutos, em uma saída de bola alvinegra em que o Bragantino subiu as linhas de marcação, Bernardo forçou um passe por dentro, perdeu a bola e, em dois passes, o atacante Marcelo saiu cara a cara com Lucas Barreto e abriu o placar para o time do interior paulista. O gol foi reflexo do momento do jogo, com o Glorioso frustrado, nervoso e desconcentrado, enquanto o adversário mostrava-se mais organizado e focado.

Enquanto Lucas Barreto trabalhou durante todo o primeiro tempo, o Botafogo só fez o goleiro adversário suar aos 44 minutos do primeiro tempo, em finalização de longe de Léo Pedro. Antes, foram apenas duas finalizações para fora. Mesmo abaixo das suas melhores apresentações na competição, Léo foi quem mais arriscou pelo Alvinegro. Muito marcado, Sapata não conseguiu encontrar o melhor posicionamento em campo para receber passes em condições de arrancar em direção ao gol. No meio-campo, Peloggia e Felipe também apareceram pouco e tiveram uma contribuição muito apagada tanto nos desarmes quanto na construção do jogo.

No intervalo, Thiago de Camillis trocou Kawan por Alysson. No segundo tempo o roteiro se repetiu. O Botafogo voltou a controlar a posse de bola e jogar no campo do adversário, com a mesma dificuldade de transformar a posse em chances reais de gols. Com o passar do tempo, o Bragantino foi encaixando contra-ataques e chegando perto do segundo gol. Além dos aspectos técnicos, táticos e mentais, o preparo físico pareceu uma diferença clara no jogo. Sapata, especialmente, mostrou-se bastante desgastado.

Análise Botafogo x Red Bull Bragantino - Copa São Paulo de Futebol Júnior

O treinador seguiu tentando mudar para tornar o Alvinegro mais incisivo no ataque. Substituiu Brendon por Rafael Lobato, posicionando Sapata para mais perto da área. Depois colocou João Felipe e Jhonnatha nos lugares de Peloggia e Maranhão. Nos minutos finais, entraram Igor França e Antônio Villa. O cansaço fez a marcação do Bragantino afrouxar na reta final e o Botafogo tentou fazer uma pressão, sem, no entanto, conseguir “amassar” o adversário. baseado na vontade, já sem qualquer organização, sobraram cruzamentos em condições ruins para a área, onde o time não tinha um atacante de referência. Os zagueiros viraram atacantes na busca pelo empate, mas a frustração virou agressão e o jogo ainda terminou com Alysson expulso.

Fonte: Redação FogãoNET

Notícias relacionadas