Análise: sem sustos, Botafogo joga o necessário para vencer o Sampaio Corrêa na estreia de Rafael

15 comentários

Blog da Redação

Blog da Redação

Compartilhe

Análise Botafogo x Sampaio Corrêa

Depois de mais de um ano jogando para o Nilton Santos vazio, o Botafogo voltou a ter a torcida ao seu lado em casa. O time venceu o Sampaio Corrêa por 2 a 0 e pulou para a vice-liderança da Série B, com 47 pontos. Rafael Navarro e Luis Oyama marcaram em um jogo que começou difícil, mas o Glorioso foi eficiente para conquistar a vitória. A partida ainda marcou a estreia de Rafael com a camisa alvinegra.

O Botafogo teve novidades dentro e fora de campo. Nas arquibancadas, o time contou com a volta da torcida ao Nilton Santos. 762 torcedores estiveram presentes para apoiar a equipe. Dentro das quatro linhas a novidade ficou por conta do miolo de zaga. Pela primeira vez, Carli e Gilvan jogaram juntos na defesa alvinegra. Sem Kanu suspenso, a presença de Gilvan ao lado do capitão gerou apreensão na torcida devido às atuações inseguras do zagueiro nas últimas partidas. Nas redes sociais, muitos torcedores cobraram uma chance para Lucas Mezenga, com o objetivo de ter mais velocidade na defesa.

Outra grande novidade foi a presença de Rafael no banco de reservas, relacionado pela primeira vez pelo Glorioso. Grande contratação do ano, o lateral não joga desde 08/05 e vem trabalhando forte nos treinos para em breve ganhar espaço entre os titulares. Outro jogador que voltou ao time foi Marco Antônio, entrando no lado direito do ataque na vaga de Warley, que cumpriu suspensão automática.

Análise Botafogo x Sampaio Corrêa

O Sampaio Corrêa começou o jogo surpreendendo o Botafogo. Com o sistema defensivo organizado inicialmente em um 4-4-2, um dos jogadores de beirada da segunda linha de quatro desgarrava para formar uma linha de três na frente e matar a saída de bola alvinegra. Por isso, o Botafogo teve muita dificuldade em construir o jogo a partir da defesa e o time maranhense teve mais a bola nos pés no começo da partida. Sem superioridade numérica na saída, o Alvinegro foi muito lento na troca de passes e, nas raras jogadas em que conseguiu progredir em velocidade, parou em erros individuais. Embora bem organizado, o Sampaio Corrêa também não conseguiu transformar seu bom momento em campo em oportunidades de gol.

A intensidade baixa na saída de bola repercutiu em todos os outros setores. Apesar da habitual entrega e movimentação de Rafael Navarro para criar espaços na defesa adversária, o resto do time pareceu em outra rotação. Foi assim até a metade do primeiro tempo. A partir dos 25 minutos, Marco Antônio e Diego Gonçalves entraram no jogo, facilitando o trabalho de Chay na criação. Oyama aumentou o aproveitamento nos passes e também cresceu de produção. O Botafogo, então, com muita movimentação e troca de posições, deixou de ser previsível e passou a rondar a área com perigo.

Análise Botafogo x Sampaio Corrêa

Aos 39 minutos, a primeira grande chance de gol do jogo. Marco Antônio apareceu por dentro, Chay abriu pelo lado direito e Carlinhos surgiu na área como elemento surpresa. O lateral ficou frente a frente com o goleiro, mas finalizou mal. No minuto seguinte, Chay, novamente no lado direito, sofreu falta. Na cobrança, o próprio camisa 14 levantou na área e Rafael Navarro subiu sozinho para abrir o placar. Se por baixo, com a bola no chão, estava difícil criar, foi na bola parada que o Botafogo fez valer seu melhor momento no jogo.

No final da primeira etapa, o Sampaio Corrêa ainda teve um jogador expulso. Após revisão no VAR, o zagueiro Joécio recebeu o cartão vermelho. Cenário ideal para o Botafogo. Foi para o vestiário com a vantagem no placar e a possibilidade de se reorganizar para encarar o segundo tempo com um homem a mais. E o time voltou a fim de resolver o jogo. Nos primeiros dez minutos da segunda etapa, chegou duas vezes na área com chances de marcar. Embora, em uma delas tenha sido marcado o impedimento de Marco Antônio. O Glorioso chegou a ter um pênalti a seu favor, corretamente corrigido após consulta ao vídeo.

Análise Botafogo x Sampaio Corrêa

Com um a menos, o treinador Felipe Surian tentou encontrar saídas para o Sampaio Corrêa atacar, mas o Botafogo foi muito eficiente e jogou com inteligência, valorizando a posse de bola, sem se expor a contra-ataques e tentando ser vertical a todo momento. As chegadas do time maranhense vieram de faltas de muito longe cobradas para a área. O jogo controlado pareceu, então, uma excelente oportunidade para a estreia de Rafael com a camisa sete alvinegra. Nessa primeira aparição, substituiu Marco Antônio e atuou como um meia direita. Em alguns lances, ficou evidente a falta de ritmo de jogo e a perna pesada dificultando a melhor execução dos movimentos. Ainda assim, terminou o jogo com três desarmes, 17 toques na bola e quatro duelos vencidos em 22 minutos jogados.

O Botafogo não conseguiu manter durante todo o segundo tempo o ímpeto em busca do segundo gol. A partir dos 20 minutos, o time maranhense passou a aparecer no ataque em escapadas esporádicas. Faltava o gol para decidir a vitória e ele veio aos 32 minutos. Pelo lado esquerdo, Oyama se mandou e Carlinhos deu excelente passe rasteiro. O volante, então, contou com a sorte e um cruzamento desviado enganou o goleiro e terminou no fundo das redes. 2 a 0 no placar e, enfim, tranquilidade para não dar sorte ao azar.

Análise Botafogo x Sampaio Corrêa

No fim, a vitória sem grandes sustos valeu para assumir de vez a vice-liderança da Série B, recuperar a moral do grupo depois da derrota para o CSA e ver em campo pela primeira vez um novo candidato a ídolo. Valeu muito também pelo reencontro com a torcida no Nilton Santos. Melhor mandante do campeonato, com 11 vitórias em 13 jogos, o Glorioso segue forte em casa rumo ao acesso. A defesa voltou a passar em branco depois de ser vazada nos últimos dois jogos.

Já na quarta-feira (29), o Botafogo vai voltar a campo contra o Vitória no Barradão, às 21h30. O time baiano ocupa a 18ª posição, na zona de rebaixamento da competição, e não vence há quatro rodadas.

Números do jogo: (Sofascore)

Posse de bola – BOT 54% x 46% SAM
Passes certos – BOT 325 (79%) x 253 (74%) SAM
Cruzamentos – BOT 5/15 (33%) x 3/13 (23%) SAM
Bolas longas – BOT 35/60 (58%) X 46/82 (56%) SAM
Dribles – BOT 8/15 (53%) x 8/16 (50%) SAM
Finalizações – BOT 16 (5 no gol) x 4 (1) SAM
Finalizações dentro da área – BOT 11 X 1 SAM
Chances claras – BOT 1 x 0 SAM
Disputas de bola vencidas – BOT 69 x 54 SAM
Desarmes – BOT 23 X 12 SAM
Cortes – BOT 14 x 14 SAM
Interceptações – BOT 12 x 11 SAM
Faltas – BOT 21 x 19 SAM

Fonte: Redação FogãoNET

Notícias relacionadas