Pense rápido: no Campeonato Brasileiro, na maioria dos jogos, quem tem a “obrigação” de vencer? O mandante ou visitante? É claro que é o time da casa. Mas, na transmissão de Cruzeiro 0 x 0 Botafogo, na TV Globo, a impressão que se passou foi que o Alvinegro é que tinha essa obrigação.

O tom das críticas ao Botafogo e ao técnico Eduardo Barroca foi demasiadamente exagerado, enquanto o Cruzeiro, mandante, na zona de rebaixamento e com melhor elenco, foi poupado na maior parte pela transmissão, que contou com o narrador Luis Roberto e os comentaristas Bob Faria e Roger Flores.

O comentarista mineiro Bob Faria foi o mais exaltado. Ele criticou a proposta do Botafogo seguidas vezes e chegou a passar do ponto ao questionar o treinador alvinegro: “Não é possível que esse seja o jogo do Botafogo!”.

O que não é possível é que um comentarista, em uma transmissão nacional, na 10ª rodada do Campeonato Brasileiro, ainda não tenha entendido que o estilo de jogo de Eduardo Barroca é o da troca de passes, controle da bola e ritmo cadenciado. Ainda que mesmo a torcida do Botafogo sinta falta de mais agressividade e ousadia, essa é a tática desde a primeira rodada. Mas Bob Faria parece não ter visto nenhum jogo nem sequer ter estudado o time.

O jornalista não fez qualquer crítica ao Cruzeiro e ainda defendeu o clube mineiro, alegando “muitas alterações” no time que venceu o Atlético-MG por 3 a 0 pela Copa do Brasil para o confronto com o Botafogo. Detalhe: apenas três mudanças foram feitas (Lucas Romero por Weverton, Robinho por Jadson e Marquinhos Gabriel por David).

Os comentários de Bob Faria geraram muitas críticas nas redes sociais:

O narrador Luis Roberto não aprovou a atuação do Botafogo , mas lembrou que essa é a proposta de jogo de Eduardo Barroca desde o ínicio do Campeonato Brasileiro.

Ex-jogador do Cruzeiro, Roger Flores também criticou Barroca e foi repreendido nas redes sociais por Felipe Neto, patrocinador alvinegro.

Apenas após os 20 minutos do segundo tempo, Roger passou a criticar mais o Cruzeiro, mandante e que deveria buscar a vitória, mas sequer incomodou Gatito Fernández.

– O Botafogo foi melhor, apesar de termos tido um jogo ruim. Achei o jogo devagar, mas o Botafogo teve estratégia de tentar diminuir a temperatura, o que nem precisou. O jogo todo foi em banho-maria, o Cruzeiro não se incomodou e jogou muito mal.

Por fim, para fechar sua tarde de comentários, Bob Faria foi completamente ilógico ao votar em Dedé como “Craque do Jogo”. Ora, se o jornalista criticou o Botafogo o tempo todo e disse que o time não atacou, como pôde achar um zagueiro do Cruzeiro o melhor em campo? Ao menos, Luis Roberto e Roger corrigiram a injustiça e elegeram Alex Santana.

NOSSA OPINIÃO

Ainda que seja consenso que faltou mais ousadia e força ofensiva ao Botafogo, é preciso colocar na balança pontos não levantados pela transmissão. O primeiro deles é que o elenco é pior do que o Cruzeiro, o segundo é que sofre com dois meses de salários atrasados e o terceiro é que teve perda de três peças importantes para a partida (Cícero durante a semana, Biro Biro pouco antes do jogo e Luiz Fernando aos 20 minutos). E poderia sair com a vitória, se Rodrigo Pimpão caprichasse na finalização, livre na área após grande jogada de Alex Santana.

O Botafogo de Eduardo Barroca usou a posse de bola como uma estratégia defensiva, para não ser atacado e cansar o adversário, mas a fez com a bola rolando e cometendo poucas faltas. O time não foi desleal, covarde, nem fez cera nem contou com ajuda da arbitragem. Logo, não faz sentido ser tão criticado na transmissão.