Pitacos: estilo de Chamusca enfim favorece o Botafogo, azar do Náutico; não precisa de mágico, ele que foi trágico

49 comentários

Blog da Redação

Blog da Redação

Compartilhe

Elenco - Botafogo x Náutico
Vitor Silva/Botafogo

* Lembra do Botafogo no início da Série B? O cenário se repetia: bom começo de jogo fora de casa, abrir o placar, perder o ímpeto durante a partida e sofrer o empate ou a virada. Com Marcelo Chamusca, o time não sabia se partia para tentar o segundo gol ou se segurava o resultado. Não fazia nem um nem outro. Foi o que aconteceu o Náutico neste sábado. Sorte nossa.

* Chamusca, bem ao seu estilo, viu o time recuar após abrir o placar no início e nada fez para mudar o panorama. Nem contra-ataques tinha. O Botafogo foi martelando, até achar o empate, a virada e o terceiro gol. Vitória justíssima e importantíssima.

* Primeiro para mostrar que não precisa ser mágico para fazer mais que Chamusca, que foi trágico no Botafogo. Um time bem organizado, seguro na defesa e com jogadas tramadas no ataque conquista bons resultados na Série B. No caso de Enderson Moreira, já são dez vitórias, um empate e apenas uma derrota.

* Até o auxiliar Luís Fernando Flores já conquistou quase o mesmo número de pontos à beira do campo do que Chamusca. Foram 12 em quatro jogos, enquanto o antigo treinador fez 13 pontos em dez partidas. Se mantivesse o treinador, o Botafogo estaria em situação delicada, tipo Cruzeiro e Vasco.

* Entrando no jogo, impressionou a atuação de Marco Antônio. Com muita confiança, bons gestos técnicos, partindo para cima e acertando a escolha de jogadas. Atua melhor pela esquerda, mas também foi bem pela direita após a entrada de Diego Gonçalves.

* Rafael Navarro é um ótimo centroavante, ainda mais para o estilo de jogo do Botafogo. Seu estilo casa bem com o de Chay e deixa o meia ter mais espaço para armar e menos obrigação de marcar. Contra o Náutico, Navarro ainda foi decisivo na finalização, com dois gols. Uma pena que dificilmente vá renovar, mas se ajudar o Botafogo a subir já dará uma grande contribuição.

* Interessante também ver a quantidade de jogadores diferentes que ganham chance nos últimos jogos, mesmo que entrando no segundo tempo. Lucas Mezenga, Romildo, Kayque, Ricardinho, Matheus Frizzo, Luiz Henrique, Ênio, Vitinho, Matheus Nascimento, Rafael Moura, entre outros, já tiveram minutos em campo. Isso sem contar Luís Oyama, que virou uma espécie de 12º jogador. Importante para o elenco e para a confiança dos atletas. Todos têm que estar prontos para uma possível entrada.

Fonte: Redação FogãoNET

Notícias relacionadas