O Botafogo foi mal no Campeonato Carioca e a pressão aumenta, conforme discutimos no post anterior. Creio que a eliminação no Estadual tenha a ver com a falta de vontade. Mas independentemente disso, é nítida a necessidade de se reforçar. Algumas posições ainda parecem em aberto e precisando de dono. O restante da temporada vai exigir muito. Tudo correndo bem, a Copa Sul-Americana e a Copa do Brasil vão continuar existindo. Mas não vai dar para fazer com o Brasileirão o que se fez no Estadual.

A lateral direita, por exemplo, com Marcinho muito criticado, é um ponto a ser atacado. A oferta de Leo, que jogou recentemente no Flamengo e no Fluminense, pode ser analisada, embora, o atleta tenha sofrido um histórico de lesões que gera certa desconfiança.

Ataque e meio devem ser reforçados

O ataque é outra questão que vejo em aberto. Não trato Diego Souza como a referência. Para mim ele não pode ser o centroavante, apesar de parecer ser senso comum que foi contratado para isso.

Diego Souza tem condições de atuar mais solto, auxiliando inclusive na criação com sua inteligência. Seu objetivo de jogar como um falso 9 foi uma tentativa frustrada de agradar Tite e ir para a Copa do Mundo, o que não aconteceu. Ter ele como referência no ataque pode ser mais problema do que solução.

Caso se confirme a saída de Leonardo Valencia a criatividade também é um ponto a ser atacado. Embora muitos contestem o chileno, na atual conjuntura, dentro do elenco, tem sua importância e sua ausência não pode ficar sem reposição.

O Botafogo conseguiu aos poucos ir encorpando o elenco. As chegadas de Cícero e Diego Souza ajudam muito. Mais ainda há espaço para novas contratações. Mais do que espaço, há necessidade.

LEIA TAMBÉM:

Botafogo sofreu com a falta de vontade. Custou caro!
O trabalho de Zé Ricardo no Botafogo é fraco?
Mercado da bola me faz lembrar tempos de Emil no Botafogo
Moreira Salles no Botafogo: clube já viveu épocas douradas
Irmãos Moreira Salles em General: Esse é o Botafogo que eu conheço
Botafogo precisa de um nome de peso para o ataque
Novo modelo de gestão é para ontem