Carlos Eduardo Sangenetto
08/09/2017
Rio de Janeiro (RJ)

Assistir ao primeiro jogo da final da Copa do Brasil entre Flamengo e Cruzeiro foi uma atividade evitada por muitos botafoguenses que decidiram aproveitar, com toda razão, a noite do feriado de forma mais divertida. Mas outros, como eu, ainda engasgados com a eliminação, resolveram analisar o comportamento rubro-negro em campo para tentar encontrar explicações para a queda na semifinal.

Mas amigos, não tem jeito, não tem como não voltar a bater na tecla do chute a gol. O Fogão não agrediu o gol adversário e deu no que deu. Gol adversário, vale destacar, defendido pelo terceiro atleta, Thiago, de 21 anos, que falhou ontem após finalização de Hudson.

Goleiro Thiago, do Flamengo, falha em gol de Arrascaeta, do Cruzeiro, na final da Copa do BrasilMomento que Thiago falha após chute de fora da área de Hudson (Foto: Reprodução/Rede Globo)

Para vocês terem uma ideia, só para encerrar o assunto com números. Tirando a posse de bola que foi semelhante nas duas partidas, com superioridade do Flamengo (55-59%), o time de Jair Ventura não teve nenhuma finalização com chance claríssima de gol, enquanto a Raposa teve quatro grandes oportunidades – os números são do Footstats. E o gol de empate celeste mostrou o poder de reação no fim da partida, o que não tivemos no Maracanã.

Uma bola, era tudo que precisávamos…

Enfim, só um desabafo.

Saudações alvinegras!

Goleiro Thiago, do Flamengo, falha em gol de Arrascaeta, do Cruzeiro, na final da Copa do Brasil Goleiro Thiago, do Flamengo, falha em gol de Arrascaeta, do Cruzeiro, na final da Copa do BrasilDe Arrascaeta, livre de marcação, apenas empurrou para o fundo da rede do Flamengo (Fotos: Reprodução/Rede Globo)