América anunciou nesta segunda-feira que vai à CBF reclamar contra o trio de arbitragem responsável pelo apito na derrota por 2 a 1 para o Botafogo, no Independência, que fez o time cair da vice-liderança para o terceiro lugar da Série B, com 34 pontos. Por meio de declarações do presidente Alencar da Silveira Júnior, o clube entende que foi prejudicado em três lances: dois pênaltis não marcados a favor e uma falta inexistente assinalada contra (o lance originou o primeiro gol do Botafogo, do lateral-esquerdo Thiago Carleto).

“O América foi prejudicado. O resultado foi alterado pela arbitragem. Nós tivemos uma falta que não existiu e resultou em um gol do Botafogo. Nós tivemos dois pênaltis não marcados. Estou falando bem tranquilo para o torcedor americano e para a imprensa mineira. Nós tivemos erros do juiz, tivemos erros da bandeira que o América não vai aceitar mais. Em partidas anteriores o América foi prejudicado e é isso que nós estaremos mostrando para o presidente da CBF”, diz Alencar da Silveira Júnior.

O dirigente americano ainda informa que tentará se encontrar com Marco Polo Del Nero, presidente da CBF, uma visita de cortesia em que entregará um vídeo com todos os erros do trio formado por Vinícius Gonçalves Dias Araújo (árbitro), Fernanda Colombo Uliana (auxiliar) e Herman Brumel Vani (auxiliar).

“Esperei passar o calor do jogo de sábado para dar uma satisfação para o torcedor e até para o meu filho que estava comigo no Independência. Como todo torcedor americano, eu tenho que dar uma satisfação. O nosso diretor de futebol já relatou à Comissão de Arbitragem e esta semana eu estou tentando agendar com o presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, uma visita de cortesia. Nessa visita vou entregar para ele um CD com todos os erros de arbitragem, inclusive do último sábado”, acrescentou o presidente.

Vale lembrar que o América já reclamou contra a arbitragem nesta Série B. Na 13ª rodada, o Coelho perdeu por 3 a 1 para o Oeste em dia de atuação desastrosa do árbitro Rafael Martins Diniz no Estádio José Liberatti, em Osasco-SP. Na ocasião, o juiz deixou de marcar dois pênaltis para o time mineiro, assinalou uma penalidade inexistente a favor dos paulistas e validou um gol da equipe rubro-negra em posição de impedimento. Depois do envio do protesto formal da diretoria do América, a CBF afastou Rafael Martins Diniz, que não voltou a trabalhar em nenhuma divisão sequer do Campeonato Brasileiro.

Fonte: Superesportes