Maxi Rodríguez está disponível para deixar o Grêmio. Caso não acerte com o Botafogo, em negociação que está avançada, o jogador pode tranquilamente procurar outro destino para atuar. E as razões para a saída do ‘xodó’ da torcida são simples. A apatia após perder posto no time e a desobediência tática não o deixam receber novas oportunidades.

Maxi começou o ano como titular. Não havia dúvida que 2014 seria o ano dele. A direção e a comissão técnica do Grêmio depositavam grande expectativa no melhor jogador do Campeonato Uruguaio de 2012. Porém não demorou muito para a confiança cair sensivelmente.

O armador foi bem no primeiro jogo dos titulares no ano, diante do Aimoré. Só que o mesmo nível não foi mostrado nos compromissos seguintes. A queda de rendimento o fez perder posto no time, e ali a apatia apareceu.

Em vez de brigar por um lugar entre os 11, Maxi reclamou. O uruguaio pediu ao técnico Enderson Moreira para não atuar mais aberto no flanco direito, onde vinha sendo utilizado. A ideia era brigar por posição centralizado, e assim, voltou para o ‘fim da fila’ na disputa em local diferente de campo.

Só que a falta de oportunidades em vez de virar motivação para reaver espaço mostrou um lado até então pouco conhecido do uruguaio. Ele deixou de buscar mais minutos em campo e aceitou a condição de suplente.

Não bastasse isso, nas vezes que recebeu chance Maxi também não mostrou o suficiente para permanecer no time. A reclamação sobre o atleta é a falta de comprometimento tático, a desobediência na hora de compor o setor defensivo. O jogador se nega a cobrir espaços de campo e se esforçar na recuperação da bola.

Quando Renato Gaúcho comandava o Grêmio, esta já era a alegação. Segundo ele, Maxi era pouco competitivo. O mesmo segue com Enderson Moreira. O jogador aposta em sua capacidade técnica, mas é pouco participativo no time. Sob a atual gestão de equipe, não receberá muitas oportunidades.

A direção de futebol gremista, inclusive, conversou com o jogador para esclarecer a situação e tentar ainda recolocá-lo nos planos. Foi em vão, e a decisão é liberá-lo para atuar em outra equipe.

“O Grêmio não está oferecendo o Maxi, nem colocando no mercado. Ele veio por meio de um investidor, em uma condição que permanece íntegra. Fui eu quem o observou em ação antes da contratação e continuo acreditando nele. O Botafogo fez uma sondagem. Ele tem muito talento, está se dedicando a cada treinamento. Mas cada jogador tem uma adaptação tática diferente. Ele ainda é um pouco tímido e está em um processo de amadurecimento. Já tivemos vários exemplos de jogadores que saíram e voltaram em outra condição. Pode ser que surja algo de um clube que tenha interesse. O Grêmio não está descartando o Maxi. Mas ele tem uma dificuldade de adaptação, que acontece. Se qualquer clube quiser contratar qualquer jogador do Grêmio terá que apresentar uma proposta que será analisada. O Botafogo fez apenas uma sondagem”, disse o diretor executivo de futebol, Rui Costa.

O empresário do atleta, ainda, reitera que há a necessidade de atuar. Contratado no meio do ano passado em parceria com um investidor, Maxi Rodríguez está nos planos do time carioca. A negociação pode ser concluída nos próximos dias. Sendo assim, voltaria ao Grêmio no fim do ano sob nova realidade e talvez fosse melhor aproveitado.

O contrato do atleta vai até maio de 2017 e o clube gaúcho possui 70% de seus direitos. Atualmente ele está atrás de Zé Roberto, Luan, Dudu, Alán Ruiz, Rodriguinho e Everton por oportunidades no time.

Fonte: UOL