Após os constantes erros de arbitragens nas últimas rodadas, incluindo o gol de mão de Jô, o presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, ordenou à comissão de arbitragem que seja antecipado o uso do recurso de árbitro de vídeo no Campeonato Brasileiro. Anteriormente, por economia, a confederação vinha protelando a implantação do sistema que provavelmente ficaria para 2018.

O gol de mão de Jô contra o Vasco foi decisivo para a mudança de direção de Del Nero. Houve grande polêmica, e reclamação da diretoria do Vasco. O dirigente chamou o presidente da comissão de arbitragem, Marcos Marinho, e pediu o uso do sistema imediatamente. A ideia do mandatário é que o recurso seja implementado já na próxima rodada. Caso não haja tempo, que se faça uso do vídeo “o quanto antes”.

O problema é que a CBF ainda vinha fazendo testes para o sistema. Foram feitas experiências nas finais do Campeonato Pernambucano quando toda a cúpula da arbitragem foi para o Estado para realizar a experiência. Além disso, havia outras provas realizadas na Granja Comary de forma sigilosa. Segundo a confederação, a intenção era implementar o sistema nas últimas cinco rodadas do Brasileiro, embora não fosse certo.

Com poucos testes, a diretoria da CBF confia em treinamentos realizados pela Conmebol para o sistema de árbitro de vídeo. Já foram treinados quatro juízes, Anderson Daronco, Wilton Pereira Sampaio, Péricles Bassols e Sandro Meira Ricci. Eles participaram de curso na semana passada. O sistema da Conmebol será utilizado já nas semifinais da competição.

A CBF terá de usar os procedimentos do árbitro de vídeo segundo o protocolo da Fifa, igual ao da confederação. Por esse sistema, o árbitro de vídeo atua em lances decisivos de gol, e poderá avisar o juiz de campo. Mas será o responsável no gramado quem tomará a decisão final.

Fonte: UOL