Após processo, Botafogo anuncia fim de parceria com Túlio

Compartilhe:

 A relação entre Túlio Maravilha e Botafogo acabou. O presidente Maurício Assumpção anunciou nesta terça-feira que o projeto do milésimo gol do atacante chegou ao fim após o jogador acionar o clube na Justiça pedindo R$ 1,5 milhão. O argumento do veterano de 44 anos é que o Alvinegro falhou na elaboração do projeto que o faria marcar o milésimo gol da carreira, de acordo com as suas contas. O mandatário afirmou que não faz sentido manter o contato com o atacante após a manobra realizada nos tribunais.

“Recentemente o departamento jurídico de Túlio informou que pediu R$ 1,5 milhão alegando uma série de questões em que se sentiu prejudicado. Diz que o projeto é falido e coloca o Botafogo na Justiça? Acho que fica complicado de o Botafogo apoiar, manter essa parceria. Vida que segue para o Túlio. Vamos para a Justiça nos defender da ação que ele move contra o clube”, disse Assumpção.

O presidente, no entanto, afirma que o passado de Túlio o manterá para sempre na história do Botafogo, principalmente pela participação decisiva na conquista do Campeonato Brasileiro de 1995. O dirigente exime o clube de culpa pelo fracasso da parceria e diz que o projeto sempre foi do próprio atacante – o Alvinegro apenas apoiou por se tratar de um ídolo da torcida.

“O Túlio é um ídolo e acho que não deixará de ser. Comemorei muito na passagem dele aqui. O projeto chegou ao Botafogo e entendemos que por ser ídolo apoiamos. Mas nunca foi prometido jogar no time principal ou ao menos fazer parte. O foco era outro. Fizemos alguns jogos. O Túlio, inclusive, recebeu adiantado por algumas ações. Estávamos apalavradas e adiantados. Num determinado momento ele diz que é um projeto falido. Pode até ser, mas o projeto é dele e não do Botafogo. Apenas apoiamos. Fiquei chateado, pois o marketing do clube é reconhecido por ser efetivo, com novidades no mundo da bola”, afirmou.

O contrato entre Botafogo e Túlio foi assinado em 27 de agosto de 2012. Porém, a decisão de realizar o sonho do atacante ocorreu em novembro de 2011, quando o jogador participou da campanha de reeleição do presidente Maurício Assumpção. Ele recebeu do mandatário a promessa de poder marcar o milésimo gol no Engenhão. E, desde o início, a diretoria alvinegra sofreu com a relação com o atleta.

Em crise financeira, Túlio cobrava cachês altíssimos e, por muitas vezes, dificultou o agendamento de amistosos no início do projeto. Além disso, a esposa do atacante e sua atual empresária, Cristiane Maravilha, é vista como uma pessoa complicada de lidar e influencia diretamente nas decisões do ídolo botafoguense.

As frequentes críticas de Túlio no Twitter também irritaram o Botafogo, que adotou postura política por se tratar de um ídolo da torcida. Ciente do carinho que os alvinegros têm com o atacante, a diretoria decidiu não entrar em conflito até a decisão do veterano em brigar na Justiça por indenização de R$ 1,5 milhão.

Fonte: UOL

Comentários