JEFFERSON – 6,5
Fez uma defesaça em chute de Charles Chad aos 20 minutos, mas não teve como defender a bomba do camisa 9 no gol da Cabofriense.

LUIS RICARDO – 6,0
Não se omitiu e tentou ajudar no ataque.

RENAN FONSECA – 6,5
Boa atuação, sem apresentar falhas. Saiu machucado.

CARLI – 6,0
Entrou “na fogueira” e não comprometeu.

EMERSON – 4,5
Acompanhou Charles Chad de longe no gol da Cabofriense. Pareceu nervoso.

DIOGO BARBOSA – 5,0
Frágil na marcação, mal no apoio. Melhorou um pouco no segundo tempo.

AIRTON – 6,0
Preciso na proteção à defesa, tentou ajudar também na saída de bola. Jogou boa parte do segundo tempo com cãimbras.

BRUNO SILVA – 5,0
Apontado como possível substituto de Arão, apresentou-se no ataque, mas mostrou que não é muito a sua praia. Teve a bola da vitória nos pés, mas dominou mal.

RODRIGO LINDOSO – 6,0
Deu o lindo lançamento para Luis Henrique no primeiro gol do Botafogo. Teve mais liberdade para armar.

GEGÊ – 5,5
Único armador no time, foi participativo, mas não mostrou muita inspiração.

NEILTON – 7,5
Entrou no lugar de Gegê, chutou a bola que originou o pênalti e cobrou-o com muita categoria, decidindo a vitória. Sua volta é um reforço e tanto para o Botafogo.

NÚÑEZ – 3,0
Cintura dura, prende demais a bola. Péssima atuação. Foi substituído no intervalo. Está merecendo um banquinho.

RIBAMAR – 6,5
Entrou no lugar de Yacaré Núñez e mostrou muito mais dinâmica que o argentino. Garoto apresenta cada vez mais qualidades.

LUIS HENRIQUE – 7,0
Sua melhor atuação este ano com a camisa do Botafogo. Marcou um gol, se apresentou, prendeu a bola quando teve que prender. Está reconquistando a confiança.

RICARDO GOMES – 5,0
Mudou o esquema, escalou três volantes e o Botafogo não apresentou evolução. Falta muito ainda para o time apresentar um futebol minimamente confiável.

Fonte: Redação FogãoNET