A negociação entre Botafogo e Atlético-MG por Igor Rabello ganhou um novo capítulo. A oferta de R$ 15 milhões por 60% do zagueiro agradou aos cariocas, que fizeram uma contraproposta. Além da quantia, o Glorioso pode escolher dois jogadores em uma lista enviada pelos mineiros.

O Botafogo gostaria de contar com Lucas Cândido e Clayton. O primeiro é volante, mas também atua na lateral esquerda. Já o segundo é atacante de velocidade com características parecidas com as de Erik, que pertence ao Palmeiras e não deve ter o empréstimo para o clue carioca renovado.

O problema é que o atacante está cedido ao Bahia por empréstimo até agosto. O Atlético-MG tentará liberar o jogador de alguma forma, mas já pediu ao Botafogo para trabalhar com uma nova opção caso a situação fique complicada.

Neste caso, os dirigentes de General Severiano gostam do nome de Patric. O lateral direito é polivalente e também pode ser aproveitado no meio de campo. Porém, um novo problema aparece pela frente. Apesar de o defensor não ser titular, ele é visto pelo técnico Levir Culpi como peça importante. O treinador, portanto, não gosta da ideia de liberá-lo.

O Atlético-MG está cada vez mais confiante em fechar com Igor Rabello. Além de aproveitar a ajuda de torcedores influentes para fechar a contratação, a diretoria conta com o desejo do atleta de deixar o Botafogo. Essa foi informação dada pelo estafe do jogador ao clube mineiro.

Com a ajuda dos conselheiros Ricardo Guimarães e Rubens Menin, o Galo pretende pagar o montante à vista, o que facilitaria a transação em definitivo. O valor é cobrado pela fatia que pertence ao Botafogo, detentor de 60% dos direitos econômicos de Rabello. O restante – 40% – é dividido entre o defensor de 23 anos e o empresário Anselmo Paiva e permaneceria com a dupla.

O Botafogo, por sua vez, vê no dinheiro uma possibilidade de respirar aliviado por alguns meses, além de quitar 13º e férias dos jogadores, ainda pendentes. O Alvinegro tem sofrido com penhoras, mas espera reverter a situação na Justiça para cumprir com suas obrigações.

Fonte: UOL