O Campeonato Brasileiro acabou no último domingo, mas a temporada do Botafogo só se encerra na noite desta quarta. Parte do futuro do clube será decidida a quilômetros de distância, em Buenos Aires, na final da Copa Sul-Americana entre Lanús e Ponte Preta. A vitória argentina ou brasileira definirá os rumos do time, que poderá estar na Libertadores em 2014, no primeiro caso, ou se contentar apenas com a Copa do Brasil. Entre eles, a vinda do técnico Paulo Autuori para assumir o lugar de Oswaldo de Oliveira, que se desligou do alvinegro anteontem.

Na terça-feira, Autuori teve o primeiro encontro com a diretoria do Botafogo. Ele almoçou com a cúpula alvinegra para iniciar as negociações. Neste contato inicial, eles trataram do projeto alvinegro com a vaga na Libertadores e ouviram os desejos do técnico, como valores salariais. Porém, um segundo passo só será dado após o resultado de hoje.

Independentemente da vaga na competição sul-americana, a diretoria tem uma certeza: terá de reduzir os gastos no ano que vem. E vai começar pelo departamento de futebol, que contou com mais de 30 funcionários nesta temporada. Dentro deste planejamento está a saída de membros da comissão técnica e da área médica do clube. A redução dos custos foi o principal motivo da não renovação com Oswaldo de Oliveira, que tinha propostas melhores e o clube não teria condições de aumentar o salário do técnico, algo em torno de R$ 300 mil mensais.

O salário de Autuori não deve ser problema. No seu retorno ao Brasil, ele assinou contrato com o Vasco por cerca de R$ 200 mil e não deve pedir muito mais do que isso. Porém, sem as receitas e a visibilidade da Libertadores, existe a possibilidade de acertar com um treinador mais barato.

Além dos funcionários, haverá cortes no elenco. A ideia é trazer reforços específicos. Um nome praticamente certo é o de Jorge Wagner, que está no futebol japonês. Ontem, a diretoria acertou a renovação do zagueiro Bolívar e já tinha acertado com o lateral-esquerdo Edílson por mais um ano. O clube não pretende extrapolar em contratações caras, mas com as reduções poderá trazer jogadores mais tarimbados. Tudo, no entanto, vai depender do que acontecer no país vizinho.

Fonte: O Globo Online