O desembargador Cláudio Luis Braga Dell’Orto, da 18ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, deferiu pedido do Botafogo para que não haja penhora das receitas de patrocínio do clube no caso envolvendo o ex-jogador Rodrigo Beckham até a audiência de conciliação, marcada para o próximo dia 13.

Jogador do Botafogo entre 1999 e 2002, Rodrigo pede R$ 7.813.554,69 referentes ao contrato de imagem que firmou com o clube. A juíza Cristiane Mourao Heredia, da 36ª Vara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, havia concedido penhora temporária de 20% das receitas de patrocinadores até que a quantia fosse alcançada.

Antes do despacho do desembargador que deixou a penhora suspensa até a audiência de conciliação, o vice-presidente jurídico do Botafogo, Domingos Fleury, explicou o caso ao site Globoesporte.com.

– Esse é um processo até anterior ao Maurício Assumpção. A dívida é alta, uns R$ 8 milhões. Ele já penhorou R$ 2 milhões. Fiz uma proposta ao juiz de fazer um depósito mensal de R$ 100 mil, e em caso de negociação de jogador depositar 2% ou 3% da parte que compete ao Botafogo até quitar tudo, e assim parar com essas penhoras. O juiz não apreciou ainda, está nesse requerimento – disse Fleury, completando:

– No início da gestão, a gente conversou com ele, chegamos a um acordo e estávamos para assinar. Mas de última hora ele desistiu, não sei porquê. O Botafogo no início da gestão estava muito desmoralizado, e as pessoas não conheciam a gente ainda. Suponho que tenha sido isso. Se tivesse feito esse acordo conosco, já teria recebido muito mais do que esses R$ 2 milhões que ele pegou.

O Botafogo é defendido nesse caso pelos advogados Daniel Vellame e Benício Pessanha do Escritório Dubeux, Pessanha e Cid Advogados.

Fonte: Globoesporte.com