Alívio em General Severiano. Se dentro de campo, na primeira semifinal contra o Fluminense, o Botafogo não foi feliz; na Justiça o Alvinegro obteve uma importante vitória. Na noite desta segunda-feira, o clube conseguiu incluir no Ato Trabalhista a dívida que tem com o ex-atacante Donizete.

A decisão foi tomada pela juíza Dalva Macedo, da 70ª Vara do Trabalho, e retira do ex-jogador o privilégio de receber por fora do Ato Trabalhista, que limita o pagamento das dívidas trabalhistas em 15% das receitas do clube. A magistrada entendeu que, ao furar a fila do ato e receber por fora, o Pantera estava prejudicando credores que têm prioridade, como idosos e pessoas adoentadas.

Desta forma, o clube conseguiu desbloquear verba de cerca de R$ 2 milhões que estava retida por conta da decisão favorável ao ex-jogador. A dívida do clube com o Pantera é de R$ 1.978.848,68 referente a pagamentos não feitos no período em que ele jogou em General Severiano.

Em desabafo sobre sua situação, o ex-atacante disse que estava decepcionado com a diretoria alvinegra. Segundo Donizete, ele chegou a se humilhar para o vice de futebol, Antonio Carlos Mantuano, numa tentativa de receber o que lhe é devido.

– Estou muito triste com o Botafogo. Sempre honrei, joguei machucado na final de 95. Quando essa nova diretoria assumiu, eu liguei pro Mantuano (vice de futebol), enviei mensagem, falei que estou desempregado e que não tenho ninguém pra ajudar. Fiz curso de treinador, de gestão esportiva… Eu me humilhei: Mantuano, se você puder me ajudar com 5 mil por mês, pra minha filha continuar no colégio, se puder pagar minha conta de água e luz… Mas os caras riram na minha cara. São maus-caracteres esses caras. Custava conversar? Donizete, não temos esse dinheiro, o que podemos fazer pra você não precisar vender sua casa, pra sua filha continuar no colégio? Eles cagam e andam. É minha tristeza com o Botafogo, principalmente com essa nova diretoria. Foi o clube pelo qual me sacrifiquei mais. Naquela época, não se ganhava muito dinheiro. Meu salário era muito pouco – disse o ex-jogador à radio Bradesco Esportes.

Fonte: Extra Online