Após empatar com o Avaí fora de casa, o Botafogo foi recebido no Rio de Janeiro com protesto de um grupo de torcedores. Eram cerca de dez pessoas, e eles pediam a classificação para a Libertadores a qualquer custo.

O primeiro a desembarcar e a ouvir reclamações foi o gerente de futebol Antônio Lopes.

– Eu quero ouvir vocês, mas vocês precisam falar baixo, senão eu vou embora – disse ele, próximo de se exaltar.

https://twitter.com/fabiodscardoso/status/921015921682059264

Foi cobrado dele que a equipe contrate nomes à altura para substituir os que saíram – Camilo, Montillo e Sassá, por exemplo.

– Eu sei, estamos tentando – disse o delegado.

Bruno Silva também foi alvo de reclamações. Torcedores reclamaram do que diziam ser sua presença diária nas noitadas do Rio de Janeiro.

– Nós jogamos em um time que tem cobrança, entendemos isso, mas assim como eles querem a vaga na Libertadores, nós também queremos. Vamos lutar para conseguir – disse o volante, em tom sério, ao deixar o aeroporto.

Quando toda a delegação desceu, os torcedores repetidamente afirmaram, em tom bruto, que querem a vaga na Libertadores a qualquer custo. Diziam que o time era superior ao Vasco (que venceu o Botafogo no último sábado) e ao Avaí, com quem empatou na última quarta-feira.

Com o empate, o Alvinegro permanece na sexta colocação, mas pode ser ultrapassado pelo Flamengo caso o Rubro-negro vença o Bahia nesta quinta-feira.

O Botafogo vem de uma derrota contra o Vasco e um empate, com gol de Marcos Vinícius aos 50 minutos do segundo tempo. O time pode se afastar do G-4, a zona de classificação direta para a fase de grupos da Libertadores-2018. As chances de classificação para a pré-Libertadores continuam altas.

Nas últimas rodadas, o desempenho do time, entretanto, não tem sido bom. Nas últimas quatro rodadas do Campeonato Brasileiro, com doze pontos em disputa, o time conseguiu apenas quatro – a vitória contra a Chapecoense e o empate contra o Avaí. Os outros dois jogos foram derrotas contra Vitória e Vasco.

Fonte: Extra Online e Twitter do repórter Fábio Cardoso, do Globoesporte.com