Botafogo e Fluminense fazem nesta segunda-feira, às 20h, no Nilton Santos, o primeiro clássico carioca pelo Brasileiro de 2018. O jogo marca o reencontro entre dois times que passam por roteiros similares na temporada e, longe de orçamentos robustos, precisam de um bom desempenho na competição para voltarem a ser protagonistas no cenário nacional.

Os dois estão fora da Copa do Brasil, eliminados precocemente, mas ainda vivem na Sul-Americana, após uma primeira fase com enroscos — no caso do Tricolor, com uma logística muito pior, tendo que jogar na altitude de Potosí, na Bolívia.

O que diferencia os rivais em termos de resultados é o título carioca do Botafogo. O sucesso estadual, por outro lado, não veio com uma vitória sobre o Flu. Pelo contrário: no encontro mais recente entre os dois, o time de Abel Braga aplicou 3 a 0 na final da Taça Rio e gerou uma profunda reflexão no Botafogo. O curioso é que aquele jogo foi um mal que se converteu em em troféu.

— Temos que estar atentos ao atacar para não darmos espaço para eles. É um time de qualidade e que aproveita as chances. Temos que jogar melhor do que no Carioca — disse Alberto Valentim.

A missão alvinegra terá a ausência do meia chileno Leo Valencia, com dores musculares na coxa. Por outro lado, o Alvinegro tem entre os relacionados o lateral-esquerdo Moisés e o atacante uruguaio Aguirre. A expectativa é que ele finalmente faça a estreia com a camisa alvinegra.

No Fluminense, a moral está elevada pela classificação suada diante do Nacional Potosí, na Sul-Americana. Os 4 mil metros de altitude ficaram para trás, mas os reflexos do comportamento do time deixam a torcida e o técnico Abel Braga animados. O treinador terá à disposição o atacante Marcos Júnior. O jogador ficou fora do jogo na Bolívia porque sentiu os efeitos da altitude. Na zaga, Abel poderá recolocar Ibañez.

Fonte: Extra Online