A operação de compra aprovada por unanimidade pelo Conselho Deliberativo, no último dia 11, é a prova da importância que um Centro de Treinamentos tem para o Botafogo: é considerado um passo fundamental para a modernização do clube. Agora, restam apenas análises dos advogados dos irmãos Moreira Salles — botafoguenses que vão financiar a empreitada — para que a aquisição de um terreno em Vargem Pequena, onde hoje funciona o Espaço Lonier, seja acertada.

Eles contrataram uma advogada especializada na área imobiliária para conferir todos os detalhes dos documentos e ter certeza de que não há qualquer problema. Se tudo sair como previsto, comprarão o terreno e o repassarão ao clube. O Botafogo deu sinal para verificar a documentação por 30 dias, mas a expectativa é que tudo se resolva até, no máximo, o fim desta semana.

Internamente, acredita-se que a compra só depende da aprovação dos documentos pela equipe jurídica. Entretanto, parece haver concorrência: há também uma igreja interessada em adquirir o terreno. Os dirigentes alvinegros, porém, acreditam que os proprietários do local se sentiriam mais seguros com uma venda à vista para os Moreira Salles. Mesmo assim, o Botafogo já inspeciona, de longe, outros terrenos adequados para o caso de não conseguir fechar com os donos do Lonier.

— Há um plano B, um plano C, um plano D, um plano E. Não tenha a menor dúvida que nós vamos implementar o nosso Centro, mas uma das primeiras pré-condições é que isso seja feito dentro da legislação, com toda a documentação transparente e em ordem — disse o presidente Carlos Eduardo Pereira.

A análise das outras opções ainda está em fase embrionária, e uma avaliação mais profunda deve ocorrer após uma definição em relação ao Lonier.

A expectativa é que o local já possa ser usado como CT no início do ano que vem. Os irmãos se comprometeram a colocar R$ 25 milhões no negócio: 20 para a compra e 5 para reformas. O Botafogo fará o pagamento ao longo dos próximos 30 anos, em parcelas mensais corrigidas pela inflação. Para amortizar a dívida, os Moreira Salles terão direito a 20% do dinheiro da venda de direitos econômicos de atletas oriundos da base que passarem a jogar entre os profissionais a partir da assinatura do acordo.

No momento, os treinos da equipe profissional ocorrem quase sempre no Estádio Nilton Santos, onde não há acomodação para os atletas. A concentração é em um hotel de uma rede parceira do clube. Já as demais categorias treinam em General Severiano ou no Caio Martins.

Há a intenção também de reativar um terreno do clube em Marechal Hermes. Lá, seriam implantados um núcleo de futebol master e peneiras para as divisões de base.

Fonte: Extra Online