O Botafogo lançou em setembro de 2012 a pedra fundamental do novo centro de treinamento das categorias de base, em Marechal Hermes. Desde então, nada mudou. Em meio a problemas burocráticos e crise financeira, o Alvinegro sequer deu inícios às obras. Sensibilizado com a questão, o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, irá ajudar o clube a encontrar uma empresa disposta a custear a reforma.

A reforma do centro de treinamento de Marechal Hermes é uma promessa de campanha do presidente Maurício Assumpção, reeleito em 2012. Os avanços nas categorias de base são notórios, mas a “Escola de Futebol”, que funcionaria no novo CT até agora não saiu do papel.

“A obra começará em breve, pois a demolição do antigo CT ainda está em processo com o governo do estado. Para iniciarmos as obras precisamos do alvará da prefeitura, mas está tudo em andamento e em breve elas terão início”, disse na oportunidade o hoje gerente técnico Sidnei Loureiro e então gerente geral da base do clube.

Mas nada saiu conforme o clube esperava. O tal alvará da Prefeitura só saiu pouco mais de um ano depois. Mas desde outubro de 2013, o Botafogo tenta viabilizar a obra através de uma parceria, mas ainda não obteve sucesso. O resultado é completamente ao contrário de tudo o que foi dito.

O próprio presidente do Botafogo, Maurício Assumpção, em dezembro de 2013, explicou o porquê da demora e fez nova promessa.  “Nós já conseguimos todas as autorizações para começar as obras. Já temos reservado esse dinheiro. Daremos início à fase de demolição já em janeiro. O CT de Marechal começa e termina na minha gestão”, garantiu o mandatário na oportunidade.

Até agora as obras não se iniciaram e nada foi demolido em Marechal Hermes. O dinheiro que estava reservado não é suficiente para que a reforma aconteça. Assim, o Botafogo terá que contar com a ajuda do Governo do Rio de Janeiro. Botafoguense declarado, o governador Luiz Fernando Pesão terá papel decisivo para que alguma empresa se interesse em custear o novo CT.

Para que a promessa seja cumprida, o Maurício Assumpção terá aproximadamente sete meses para que tudo seja resolvido, já que seu mandato se encerrará em dezembro deste ano. As próximas eleições ocorrerão em novembro e até o momento apenas Vinícius Assumpção, da oposição, anunciou candidatura.

Fonte: UOL