Em situação delicadíssima no Campeonato Carioca, o Botafogo goleou a Portuguesa na última quinta-feira (21) e segue com um fio de esperança para se classificar para a semifinal da Taça Rio. A matemática diz que ainda é possível, mas a torcida parece já não acreditar tanto na equipe.

Prova disso é que o Botafogo registrou na última quinta o pior público pagante entre os chamados clubes grandes do Brasil. Apenas 1.012 alvinegros pagaram ingresso para acompanhar o penúltimo jogo da equipe na fase de grupos da Taça Rio.

Em termo de comparação, o pódio de piores públicos entre os grandes na temporada são completados por Fluminense, Athlético e Cruzeiro. O Tricolor aparece na segunda colocação com 2.394 pagantes contra o Resende. Já os paranaenses tiveram 4.116 contra o Cascavél. Os mineiros, por sua vez, tiveram 4.340 torcedores que pagaram ingresso.

Com o recorde negativo, evidentemente o Botafogo teve prejuízo na partida: R$ 334.525,00. O maior problema, no entanto, é que o ocorrido não é algo isolado. No Carioca, o Alvinegro já acumula um estrago de R$ 1.593.845,00.

Além do Campeonato Carioca não se mostrar atrativo de uma maneira geral, o péssimo desempenho do Botafogo evidentemente afastou ainda mais a torcida dos jogos. Na última quinta-feira, especificamente, uma forte chuva caiu no Rio de Janeiro durante toda o dia.

Até mesmo Diego Souza reclamou do tempo, que deixou o campo pesado. “Meu segundo jogo pelo Botafogo e meu segundo jogo com campo pesado. É ruim para quem está buscando intensidade nas partidas, como é meu caso”, disse o camisa 7 do Alvinegro.

Porém, as justificativas parecem sem tanto sentido quando se compara os públicos até mesmo com clubes de menor investimento pelo Brasil. Os jogos com menos pagantes de Avaí (2.228), Chapecoense (3.283), Bahia (9.038), Fortaleza (9.274) e até o CSA (2.752). O único que disputará a série a do Brasileiro e teve número pior que o Botafogo foi o Goiás, com 906 pagantes contra o Anápolis.

O UOL Esporte procurou dirigentes do Botafogo, que preferiram não comentar a situação. Em conversa, no entanto, eles minimizaram a situação e tratam o ocorrido como consequência da campanha ruim no Carioca. Além disso, acreditam que isso não se repetira no Brasileiro, campeonato de maior apelo e com o time melhor estruturado.

Fonte: UOL