Eliminado da Copa Libertadores e Campeonato Carioca. Estreia com derrota por 3 a 0 para o São Paulo no Brasileiro. O desempenho do Botafogo dentro de campo na atual temporada é bem abaixo do planejado pela diretoria e torcedores. O problema é que fora das quatro linhas a situação do Alvinegro é ainda pior. Crises financeira e política afetam e atrapalham o clube de General Severiano.

O principal problema do Botafogo é financeiro. Fora do Ato Trabalhista, o clube vê toda sua receita ser bloqueada pela Justiça e não consegue manter os salários em dia. O Alvinegro espera a criação do Proforte o quanto antes, mas ainda não conseguiu nenhuma novidade nesse sentido. Assim, o clube está com uma dívida de dois meses com o elenco.

Com os jogadores existe um acordo que os salários são pagos sempre no dia 20 do mês seguinte. Esse trato, no entanto, não está firmado em contrato. Desta forma, dia 5 de maio o clube chegará a três meses de atraso, caso a dívida não seja quitada até lá. Se isso ocorrer, qualquer jogador poderá acionar a Justiça e deixar o Alvinegro.

Apesar da situação tensa, o Botafogo está tranquilo quanto a essa situação. Isso porque o clube prevê o pagamento de pelo menos um mês antes do dia 5, o que impediria uma possível debandada. Atualmente, os meses de fevereiro e março não foram pagos aos jogadores que receberam apenas o referente a janeiro até o momento.

Mas a crise financeira não é o único problema do Botafogo. Em ano de eleição, a política do clube está fervendo. Na última reunião do conselho deliberativo, um conselheiro chegou a ser agredido por outro por conta de divergências no principal assunto da noite: a reforma do gramado de General Severiano.

Liderado pelo presidente Maurício Assumpção, o Botafogo decidiu acabar  com o gramado de General Severiano e criar um campo de gramado sintético. A obra já tinha até se iniciado, mas o conselho deliberativo não havia sido consultado e o clube voltou atrás. Algumas polêmicas estão por de trás da pauta.

Alguns conselheiros defendem a manutenção do espaço, pois faz parte da tradição do clube. Outros, no entanto, defendem a criação dos campos, que poderão ser alugados para não-sócios, o que geraria receita para os combalidos cofres de General Severiano. Atualmente, o gramado da sede não é utilizado pelo futebol profissional pelo tamanho reduzido.

A oposição alega que o campo permite que o Botafogo faça treinos integrais por conta do dormitório. Assim o clube não precisa gastar dinheiro com hotel ou mandar jogador para casa e encarar grande congestionamento com alimentação e descanso questionáveis. Atualmente as obras estão suspensas e sem previsão de reinício.

Fonte: UOL