O volante Bruno Silva, o maior alvo dos protestos nesta sexta-feira, no Estádio Nilton Santos, falou com a imprensa antes do treinamento do Botafogo. A torcida protestou contra o jogador devido ao que eles alegam ser uma falta de comprometimento da equipe na reta final do Campeonato Brasileiro. Também exigem do time uma classificação para a Libertadores.

O jogador estava ao lado do presidente do time, Carlos Eduardo Pereira, do vice-presidente de estádios, Anderson Simões, e do vice-geral Nelson Mufarrej. Durante o jogo, boa parte da torcida já tinha expressado sua frustração. Uma atitude de Bruno Silva revoltou parte dos botafoguenses: ao ouvir vaias quando foi substituído, ele fez um gesto com as mãos que parecia indicar sua saída do clube.

– Vim aqui, primeiramente, pedir desculpas ao presidente, ao Anderson, à torcida. Por um erro meu no jogo. De cabeça quente, acho que na hora fui até mal interpretado. Eu estava saindo, aplaudi a torcida e alguns pediam a minha torcida. Eu perguntei “vocês querem que eu vá embora? – iniciou o jogador no seu pronunciamento.

– Não que eu estava indo. O Botafogo me deu oportunidades, jamais seria ingrato. Sou feliz aqui. Sou competitivo, não gosto de perder, gosto de ajudar. Errei, assumo, mas não foi desrespeito à torcida do Botafogo, jamais. Quem sou eu para desrespeitar uma instituição como o Botafogo – afirmou.

Pela manhã, Bruno Silva se desculpou pelas redes sociais e afirmou que estava de “cabeça quente”. Membros da diretoria vão se reunir para definir o que fazer em relação ao jogador – é possível que seja aplicada uma multa. Além disso, o empresário dele, Carlinhos Sabiá, está no Rio de Janeiro para uma reunião com dirigentes do Botafogo. Agora, durante a coletiva no clube, o volante ainda deixou claro que a situação nunca mais irá acontecer:

– Não vai acontecer novamente. Estou focado para colocar o Botafogo de novo na Libertadores e isso serviu mais ainda para domingo nós conseguirmos a vitória e o Botafogo conseguir a vaga na Libertadores. Não foi por maldade, quem me conhece sabe que não sou do mal, ajo por impulso na hora de querer ganhar. Não vai acontecer mais e peço desculpa. Espero que vocês aceitem e possam me dar essa chance – falou.

Volante Bruno Silva teve o carro cercado por torcedores do Botafogo
Volante Bruno Silva teve o carro cercado por torcedores do Botafogo Foto: Augusto Decker / Extra

O presidente do clube, Carlos Eduardo Pereira, comentou sobre a conversa que a diretoria teve com Bruno Silva após o episódio. O cartola refutou que irá afastar o volante nessa reta final.

– Foi boa, porque passar por um momento daqueles é difícil, um momento de campo, de vaias, em que a equipe não alcança um resultado que muitos achavam que era fácil. Agora, nós entendemos que era possível acontecer aquilo – claro que não era desejável. O Bruno se antecipou, desde de manhã ele está levando esse pedido de desculpas para a torcida. Ele não fez nenhum gesto ofensivo à torcida, nem ao clube – afirmou o cartola.

– Essa explicação que ele nos deu nos pareceu perfeitamente plausível, e dentro dessa linha nós não podemos abrir mão do Bruno. Ele teve um ano muito bom, com grande desempenho em todos os indicadores. Excluir o Bruno dessas partidas finais seria prestar um favor aos nossos adversários, e isso não faremos em hipótese alguma. O objetivo é força máxima para enfrentarmos os próximos adversários e conseguirmos a vaga.

CEP ainda falou sobre o atual momento do Botafogo no Campeonato Brasileiro. Com um desempenho fraco na returno e as eliminações da Copa do Brasil e Copa Libertadores, o clube tem deixado escapar chances de melhorar sua posição na tabela.

– Sem dúvida alguma, ontem foi uma noite bastante difícil para todos nós, seja para o elenco ou para a comissão técnica ou diretoria, no sentido de que decepcionamos a nossa torcida e dói muito quando você vê a torcida do Botafogo vaiando, decepcionada, demonstrando insatisfação muito grande. E é claro que isso foi registrado por todos nós, mas também vem a nossa responsabilidade. Nós estamos na reta final do campeonato brasileiro, com chances concretas de alcançar um grande objetivo, a classificação inédita do Botafogo para uma nova Libertadores, e essa é a nossa prioridade absoluta nesse final de ano – disse o dirigente, que ainda completou:

– Então transformarmos esse resultado ruim de campo em uma crise administrativa no futebol de forma alguma é o nosso objetivo. Muito pelo contrário: nossa vinda aqui foi no sentido de transmitir ao elenco a confiança na capacidade deles de superarem esse momento difícil. Todos sabemos que futebol é resultado e que a nossa equipe rende muito bem contra as mais difíceis, mais forte. E é isso que eles terão pela frente: São Paulo, Palmeiras e Cruzeiro. Vejo isso como olhar para frente, o que aconteceu ontem ainda dói em todos nós, mas precisamos ter responsabilidade e compromisso com o Botafogo. Dentro de uma visão mais séria, vemos que isso é o que parece melhor para o futuro do Botafogo e dos atletas – disse.

Fonte: Extra Online