Em meio a polêmica na qual Roger reclamou que o Botafogo não quis pagar os custos de sua cirurgia de um tumor renal e da resposta do clube de que arcou com as despesas, apesar de não ter a obrigação, o presidente Carlos Eduardo Pereira entrou ao vivo na ESPN Brasil e fez críticas ao atacante.

O mandatário afirmou que o jogador saiu pela porta dos fundos do clube.

– Vocês (ESPN Brasil) deveriam ter nos consultado e permitido contraponto ao Botafogo em relação a esta matéria. Importante traçarmos pontos iniciais antes do debate, que o clube tem seguro de saúde que cobre todo o tratamento quando se contundem em relação a atividades profissionais. Como sofremos durante o ano com lesões e assumimos os problemas. O segundo ponto é que estamos em um país onde o sistema de saúde público não atende a maioria das pessoas, por isso muitos têm planos de saúdes para os familiares, que tratam de outros tipos de doença. O que se espera de jogador profissional com salário em dia, nível acima de R$ 100 mil, que tenha plano de saúde para cuidar de si e de sua família. Não é obrigação do clube, teria que ser combinado na assinatura de contrato. Estava mais que claro que a obrigação era do jogador.

– O Botafogo assumiu os custos da cirurgia, que envolvem hospitais e médicos. Quem falou ou como falou com ele não vem ao caso, até porque enquanto falava conosco e queria carinho, negociava com Corinthians e Internacional. Parece um doce inocente, se dizia decepcionado com o Botafogo, mas pedia apoio financeiro de outros clubes. Um jogador opta por deixar o clube pelas portas dos fundos com esse tipo de declaração, principalmente não sendo verdadeiras.

– Não estou condenando o fato de o Roger sair. Estou lamentando ele querer obrigação de o Botafogo pagar a cirurgia e justificar saída com questão médica. Não estou reclamando de negociar com Corinthians ou Internacional. Nós ficamos sabendo das negociações não pelo Roger ou empresário, o Internacional nos notificou na forma da lei. A questão ética do Roger e de médico é de foro íntimo, eu não faria isso, mas sabemos que o futebol hoje está nesse nível.

– Fizeram uma proposta de assinatura de contrato muito alta, sabíamos que estava acima da capacidade orçamentária, vice de futebol apresentou contraproposta e nunca recebemos uma resposta. Os fatos atropelaram a renovação com a questão da cirurgia. Quando fomos notificados pelo Inter, sabia que já estava fechado, não havia mais o que tratar com Roger ou empresário. Não entendo a postura do Roger, teve ano muito bom no Botafogo, zera o contrato com todos os salários pagos, encargos pagos, premiação significativa, tentando de forma injustificada denegrir o Botafogo.

– Vamos aguardar o programa, será gravado, analisado pelo departamento jurídico para avaliar o que cabe, já que até o dia 31 de dezembro ele tem contrato com o Botafogo.

Fonte: Redação FogãoNET e ESPN Brasil