A cerca de duas horas do horário marcado para o clássico entre Botafogo e Flamengo no Campeonato Carioca, o clube alvinegro, mandante no Estádio Nilton Santos, acredita que o número de policiais militares na área externa para o evento não é o suficiente. A direção, inclusive, alegou que, caso não haja um aumento do efetivo da PM, será contra a realização da partida. Quem toma a decisão final é a Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj).

Fernando Santos, vice executivo do Botafogo, falou sobre a situação encontrada no entorno do estádio.

– Acabei de chegar no estádio e tinha sido informado de que não existe policiamento na área externa do estádio. Tem policiamento da Policia Civil, mas da PM não tem ninguém fora.

Na sexta-feira, o major Silvio Luiz, do Grupamento Especial de Policiamento em Estádios (Gepe), afirmou que o efetivo seria o de 160 policiais no total – soma dos oficiais que fazem a escolta das torcidas e dos que realizam o monitoramento do lado de dentro do estádio.

Ainda de acordo com o major, não houve qualquer solicitação ao Gepe em relação a aumento de efetivo policial dentro do Nilton Santos para o clássico:

– Não tenho conhecimento desse pedido. Pode ser que a solicitação tenha sido feita para o policiamento da área externa do estádio, que não diz respeito ao Gepe – explicou Silvio Luiz.

Diretor de competições da Federação de Futebol do Rio de Janeiro (Ferj), Marcelo Vianna mostrou-se confiante quanto à realização do clássico:

– O Gepe garantiu durante a semana a segurança para a realização do clássico. Temos 70 homens do Gepe dentro do estádio, cerca de 50 policiais militares no entorno, 14 viaturas e mais 120 homens da guarda municipal. Ainda são esperados mais 80 guardas municipais, totalizando 200. Não podemos cancelar a partida na base do achismo. Tem que haver um documento oficial do Gepe – disse.

Fonte: Globoesporte.com