Bill abriu o placar no Estádio Nilton Santos (FOTO: Wagner Meier/Lancenet!)Bill abriu o placar no Estádio Nilton Santos (FOTO: Wagner Meier/Lancenet!)

Mesmo passando sufoco, o Botafogo passou pelo “xará” da Paraíba por 4 a 2 conseguiu a classificação na Copa do Brasil, nesta quarta-feira à noite. Depois do empate por 2 a 2 no jogo de ida, a equipe alvinegra passou bem pelo Botafogo-PB no Estádio Nilton Santos e avançou para a segunda fase. Os gols do Glorioso foram de Bill, Tomas, Willian Arão e Sassá. Gustavo e Aírton diminuíram, em dois golaços.

Na próxima fase o time carioca vai encarar o Capivariano-SP. O resultado desta quarta, entretanto, mente um pouco sobre a partida. Com apenas Élvis inspirado no meio de campo e marcando muito mal, o Alvinegro passou um sufoco em grande parte do jogo. O segundo e o quarto gols saíram enquanto o Belo era superior na partida, em erros individuais da defesa do time paraibano, que apesar da boa linha de frente, viu seus três zagueiros engrossarem e tirarem qualquer chance de classificação do time do Nordeste.

Antes da partida, o Botafogo, com o lesionado capitão Jefferson, levantou a Taça Guanabara, título conquistado na última rodada da primeira fase do Campeonato Carioca. Os jogadores receberam faixas e medalhas, além do carinho do torcedor.

O jogo

A partida começou sem muitas emoções. Se não fosse o chute de Élvis, aos 6, o torcedor que chegasse um pouco atrasado ao Engenhão sequer notaria diferença. Aos 14, o mesmo Elvis obrigou Genivaldo a jogar para escanteio. Era ensaio. Na cobrança, o meia bateu fechado, Jobson raspou e com duas chances, Bill abriu o placar. Terceiro gol do centroavante alvinegro na Copa do Brasil.

Com o meia que se destacou na Tombense comandando o meio de campo, o Botafogo criava bastante, mas pecava no último passe. O problema era o contra-ataque do xará da Paraíba. Com meias rápidos e o time bem armado, o Belo levava perigo. Aos 24 e 26, Rafael Oliveira e Alex Cazumba fizeram Renan trabalhar. O rápido Gustavo, pela direita, era a melhor opção do time paraibano, nas costas de Carleto.

Mesmo mal no jogo, o Fogão ampliou. Elvis fez grande jogada aos 33 e achou Arão, que cruzou para Tomas completar. Com a vantagem, a equipe parecia respirar aliviada para o segundo tempo. Só parecia. Aos 47, Gustavo disparou um chutaço para vencer Renan e marcar um gol de placa no Engenhão.

O segundo tempo se iniciou como o primeiro, modorrento. Dessa vez, entretanto, o Botafogo-PB era mais perigoso. Com isso, René Simões tentou impor velocidade, com Sassá, aos 18. Mas era o Belo que aproveitava. Nas costas de Carleto, Airton esticou para Doda que obrigou Renan a operar milagre aos 23.

Mais uma vez, o panorama se repetiu. Mal no jogo, o Botafogo “achou um gol” três minutos mais tarde, quando Willian Arão roubou a bola e recebeu de Pimpão para, na dividida, bater no canto e aumentar para os cariocas. O 3 a 1 trazia alívio. Mas de novo, durou pouco. Aos 34, Gustavo cruzou na medida e Airton, de voleio, marcou outro golaço para diminuir.

Só parecia o fim. O Botafogo-PB até pressionava bastante, mas mais uma vez, falhou na defesa. Em cruzamento de Arão, a zaga cortou mal e Sassá, livre na área, tocou no contrapé de Genivaldo para aliviar de vez o torcedor e carimbar a vaga do Botafogo para a próxima fase.

BOTAFOGO 4 X 2 BOTAFOGO-PB

Horário: 19h30
Estádio: Engenhão, no Rio de Janeiro (RJ)
Árbitro: Thiago Duarte Peixoto (SP)
Auxiliares: Vicente Romano Neto (SP) e Alex Ang Ribeiro (SP)
Gols: Bill, aos 15min, Elvis, aos 33min, e Gustavo, aos 47min do primeiro tempo; Willian Arão, aos 26min,  Airton, aos 34min, Sassá, aos 44min do segundo tempo.
Cartões amarelos: Tomas e Elvis (BOT) Hércules, Guto e Rafael Oliveira (BPB)
Público: 4.118 pagantes / 4.747 presentes / Renda: R$ 70.720,00

Botafogo
Renan, Luis Ricardo, Alisson, Renan Fonseca, Carleto; Diego Giaretta; Willian Arão, Tomas (Sassá), Elvis (Fernandes); Jobson (Rodrigo Pimpão) e Bill
Técnico: René Simões

Botafogo-PB
Genivaldo; Mauro, Carlinho Rech e Zaquel; Gustavo, Alex Cazumba (Airton), Hércules, Guto e Doda; André Cassaco (Juninho) e Rafael Oliveira
Técnico: Marcelo Vilar

Fonte: ESPN.com.br (crônica) e UOL (ficha)