No ano passado, o mau desempenho como visitante foi um dos motivos que levaram o Botafogo a ficar fora da Libertadores. Ao todo, foram apenas quatro triunfos longe do Rio, o último deles no dia 8 de novembro: 2 a 1 sobre o Sport, na Ilha do Retiro.

E, para quebrar este jejum de pouco mais de seis meses e quatro partidas, o Alvinegro encara, hoje, o América-MG, às 16h, no estádio Independência, em Belo Horizonte.

Embora o Brasileiro esteja no início — foram cinco rodadas, duas fora do Rio —, não ter vencido como visitante já incomoda o técnico Alberto Valentim:

— A gente precisa fazer pontos fora de casa, vencer, o que não aconteceu ainda. Estão sendo muito importantes os nossos treinos.

Além de bater o time pernambucano e a Chapecoense, no ano passado, sob o comando de Jair Ventura, o alvinegro, fora do Rio, derrotou o Coritiba e o Bahia.

Na edição atual do Campeonato Brasileiro, o Botafogo, longe do Nilton Santos, ficou no 1 a 1 com o Sport e perdeu para o Cruzeiro (1 a 0).

Enquanto o time de Valentim tenta a primeira vitória como visitante, a equipe mineira (atual campeã da Série B) busca manter os 100% de aproveitamento como mandante. Até agora, derrotou o Vitória (2 a 1) e o Sport (3 a 0).

Para buscar sua melhor sequência no campeonato até agora, um dos trunfos de Valentim é Jefferson, destaque na vitória sobre o Fluminense, na segunda-feira, no Nilton Santos. Aos 35 anos, o ídolo alvinegro, que vai se despedir do futebol em dezembro, mostrou que pode ser útil na ausência de Gatito, lesionado.

PROBLEMA NOS TRIBUNAIS

Valentim foi de nunciado pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) por conta da discussão que teve com Mano Menezes, treinador, e Robertinho, o preparador de goleiros do Cruzeiro, ao fim da derrota do dia 6, no Mineirão.

O técnico alvinegro foi enquadrado no artigo 258, que aponta conduta contrária à ética e disciplina desportiva. Se condenado, o comandante terá que cumprir pena de um a seis jogos de suspensão.

O julgamento vai acontecer na terça-feira. Mano Menezes e Robertinho também vão sentar no banco dos réus.

Fonte: O Globo Online