Fosse numa avenida dessas longas, como a Presidente Vargas, no Centro do Rio, Fluminense e Botafogo teriam, neste Campeonato Brasileiro, um percurso de fortes emoções. Levaram fechadas, ultrapassagens, ultrapassaram outros, mas, agora, chegam a um sinal de trânsito. O farol está amarelo. Neste domingo, o eventual vencedor do Clássico Vovô pode fazer o semáforo não ficar vermelho como a iminência de entrar na zona de rebaixamento.

Antes da partida, que começa às 16 horas, o Tricolor tenta olhar para cima, mas vê os concorrentes da parte de baixo da tabela se aproximarem. O Alvinegro, com uma vitória nos últimos oito jogos de Campeonato Brasileiro, tem flertado de cada vez mais próxima com o Z4.

– A cobrança tem que existir, como existiu, após o último jogo (contra o Grêmio, derrota por 4 a 0), no qual não competimos. Tivemos uma reação muito boa nesse aspecto. A nossa busca é para sermos fortes em todos os jogos – afirmou Zé Ricardo após o 1 a 1 com o Cruzeiro, na última quarta-feira.

O Fluminense tem retrospecto também de uma vitória nas últimas oito rodadas do Brasileirão. Até superou o Defensor-URU, duas vezes, no período, mas pela Copa Sul-Americana. Para o lateral-direito Léo, a equipe vem pecando no famoso “último terço” do jogo.

– É complicado. A gente vem trabalhando forte, infelizmente o gol não está saindo. O último passe, que é o mais importante, não está saindo. Mas o time foi bem, a gente jogou bem no primeiro tempo, continuamos com ritmo bom no segundo. Infelizmente, o gol não saiu, não foi o que a gente quis – lamentou Léo após o empate em 0 a 0 com o Vitória, na última quinta-feira.

O problema é que a avenida, daqui a pouco, acaba. Os dois cariocas querem passar por esse e outros semáforos observando muito melhor a luz verde.

Fonte: Terra