Daniel Carvalho já foi apontado como um dos grandes talentos do futebol brasileiro, após surgir em 2000 no Internacional. Ele foi negociado com o CSKA-RUS e chegou à seleção brasileira. Entretanto, após um breve ápice, o jogador viu sua carreira em baixa e acumulou fracassos por Atlético-MG, Palmeiras e Criciúma antes de pendurar as chuteiras e virar cartola/atleta do futsal.

A interrupção na carreira, no entanto, durou pouco mais de um ano. Ao ver seu filho João Paulo, de 7 anos, dar os primeiros passos no Internacional, Daniel Carvalho repensou sua vida. Queria mostrar ao primogênito o que ele ainda pode fazer dentro dos gramados. Ele pediu para treinar com o Botafogo, com quem poderá assinar no futuro. Engana-se quem pensa que a vida como cartola do futsal ficou para trás. É um investimento quer continuará paralelamente à carreira de jogador.

“Parte do que ganhei na Rússia foi usado para montar um centro de treinamento de futsal. Tenho um centro esportivo com duas quadras de futsal, um campo sintético e até pista de boliche. Um dos meus investimentos é o futsal na cidade de Pelotas. Sempre curti. A ideia é permanecer mesmo voltando aos gramados. O futsal vai continuar, mesmo sem eu nas quadras”, disse Daniel Carvalho ao UOL Esporte.

“Minha ideia de voltar aos gramados é um sonho pessoal. No último ano acompanhei os jogos do meu filho pelo Inter nas categorias de base. Ele completou 7 anos e está alucinado por futebol. Aquilo mexeu comigo. Ele vibrava muito nos gols. Via a alegria dele e isso me motivou. Ele já entende o futebol e não conseguiu ver o que eu fiz e posso fazer. Não foi a estádio, nem me assistiu em campo. Agora ele esta crescido, está com noção e quero voltar a jogar por ele. Proporcionar esse sonho para mim e para ele. Quero que ele tenha orgulho de mim. Não é o lado financeiro, nada disso”, completou.

E para realizar esse sonho em família, Daniel Carvalho contou com o apoio do Botafogo. Ele pediu para o técnico René Simões e o gerente de futebol, Antônio Lopes, para treinar e recuperar a forma. O apoiador conta que foi muito bem recebido, o que pode pesar para um acordo no futuro.

“Vou ser bem sincero com você. Cheguei meio bicho do mato, supertímido. E os caras [jogadores] me trataram com maior carinho. Nem sabia que tinha essa consideração toda no meio do futebol. Vale ressaltar que não tenho vínculo nenhum com o Botafogo. Apenas o compromisso de ser um profissional correto. Isso não me impede de fechar com outro clube mais para frente”, afirmou.

“Hoje não quero jogar no Botafogo ou no Real Madrid. O que posso dizer é que não quero ter compromisso nesse momento. Quero resgatar o prazer de jogar futebol. Essa parada na carreira me fez bem, pois resgatei isso. Acordo 6h para treinar com orgulho, feliz da vida. Voltei a gostar da rotina. Até 2013 não tinha mais esse prazer. Meu objetivo é manter esse prazer. Se não estiver preparado e feliz com o que faz, não vai dar certo. Estou trabalhando minha cabeça, vontade e foco. Daqui a duas, três semanas decido o que fazer”, completou.

Antes de encerrar a carreira, Daniel Carvalho vivia envolvido em polêmica com relação ao peso. Visivelmente mais magro em relação aos tempos de Palmeiras, Atlético-MG e Criciúma, o jogador admite que está mais leve. Ele, porém, explica que está fora de forma e luta diariamente para resolver a questão.

“Eu não tenho problema sobre esse assunto, não fujo dessas perguntas. Estou com menos peso de quando ainda estava jogando no Criciúma, mas meu percentual de gordura está maior. Não trabalhamos muito com peso, mas com percentual de gordura. Quem me vê hoje acha que estou mais magro. Pode ter certeza que vou continuar trabalhando para alcançar o meu percentual ideal e ainda falta. Não falo de números, mas meu peso estava maior no Criciúma do que agora no Botafogo, mas meu percentual está mais alto”, concluiu.

Fonte: UOL