Está nas mãos do prefeito Eduardo Paes a decisão de liberar ou não o Engenhão para o Campeonato Carioca. Técnicos responsáveis pela obra garantem que o calendário de intervenções é incompatível com os jogos do campeonato, mas o prefeito ainda tenta manter a promessa de não fechar o estádio. Caso os técnicos vençam a briga, o Engenhão poderá não receber nem mesmo a final, no dia 1º de maio, como contava a Federação de Futebol do Rio.

Em nota, a prefeitura disse que “ainda está definindo a questão dos jogos do Carioca”.

Em 2014, quando se divulgou que tipo de obras o Engenhão precisaria para as Olimpíadas, o prefeito afirmou que essas não interfeririam no calendário do futebol do Rio.

— É possível jogar futebol com a pista sendo refeita. Você tem muita coisa que se ajeita internamente, então, é perfeitamente compatível a utilização do estádio com as obras — afirmou o prefeito no Comitê Rio-2016, no dia 1º de outubro.

BOTAFOGO SEM PREJUÍZO

A obra, que é feita pela construtora Augusto Veloso e está custando R$ 52 milhões, já começou com o prazo curto. Pelo edital, a empresa tem 360 dias para fazer a modernização, que inclui a troca do sistema de iluminação, de água, a drenagem do gramado e a troca da pista de atletismo. A Augusto Veloso ganhou a licitação em março de 2015 e só começou a obra, de fato, quase dois meses depois.

O evento-teste de atletismo está marcado para maio, entre os dias 13 a 15. O Botafogo não comenta o assunto. A prefeitura assumiu as contas do estádio esse ano, desonerando o clube alvinegro.

Fonte: O Globo Online