Deivid passou muito perto de reforçar o ataque do Botafogo ainda em março deste ano. O acerto, no entanto, não aconteceu, e o jogador surpreendeu ao anunciar sua aposentadoria do futebol, aos 35 anos. Cerca de um mês depois, ele garante que a decisão foi motivada estritamente por questões financeiras, após cerca de três anos “batalhando” contra Flamengo e Coritiba por atrasos em pagamentos de direitos de imagem.

“Eu estava planejando desde que voltei ao Brasil em 2010 a possibilidade de me aposentar em 2017. Essa era a vontade. Mas eu antecipei isso, pelo que aconteceu no Flamengo e no Coritiba. Sentei com a minha família e nós entramos num acordo. O que os caras (Botafogo) estavam oferecendo eu já estava tendo de retorno em investimento, então era melhor eu parar e fazer outra coisa”, explicou, em entrevista ao ESPN.com.br. A referência sobre o retorno financeiro foi à Dinâmica, empresa de consultoria e investimentos esportivos da qual o ex-jogador é sócio.

“99% fechado” com o Botafogo, segundo suas próprias palavras, Deivid explicou que pediu, inicialmente, um contrato sem direitos de imagem, com a transferência do valor previsto diretamente para o salário. Sem acordo, o ex-jogador aceitou receber os rendimentos normalmente, contanto que tivesse garantias bancárias do pagamento. O acerto, ainda assim, não saiu. Agora, ele lembra que o Alvinegro fez contrato semelhante com o atacante Emerson Sheik, recém-contratado por empréstimo junto ao Corinthians.

“O Botafogo me fez uma proposta, e eu não queria receber direito de imagem. Eles falaram que não faziam isso na carteira. Eu falei que queria isso pelos meus problemas no Flamengo e no Coritiba. Depois acabei aceitando a proposta deles, mas pedi garantia bancária. Eles acabaram não aceitando, e aceitaram agora com o Sheik”, lamentou Deivid, que revelou ter recebido ainda propostas de Bahia, Criciúma e Goiás,

Após ‘estresses’, olho no futuro

Após passagens de sucesso por Santos, Corinthians e Cruzeiro, Deivid transferiu-se para o futebol europeu em 2006, onde defendeu o Sporting, de Portugal, e o Fenerbahçe, na Turquia.

O retorno ao Brasil foi para o clube do coração, Flamengo, onde permaneceu entre 2010 e 2012, até rescindir contrato por atrasos nos direitos de imagem. A próxima parada foi o Coritiba, onde Deivid reencontrou o amigo Alex até, novamente, rescindir o contrato por atrasos em pagamentos. A dívida com o Rubro-Negro já foi resolvida com a diretoria que assumiu em 2013, enquanto a pendência com o Coritiba segue tramitando na Justiça.

Agora, o foco é no futuro. Mesmo ainda bem fisicamente, o ex-jogador admite que já não tinha a mesma vontade dentro dos campos, e projeta uma nova carreira fora deles: como treinador.

“Esse é um sonho que eu tenho, de ser treinador. Desde que joguei fora sempre gostei da parte tática, sempre observei todos os times, o modelo tático. Como jogador, sempre gostei do lado do treinador, como motivar, orientar. Não me vejo fora do futebol. Mas como jogador eu já estava perdendo essa vontade, esse brilho. Que nem casco de navio, já estava enferrujado”, concluiu.

Fonte: ESPN.com.br