O prazo para o Botafogo quitar pelo menos um mês de salário atrasado dos jogadores está se esgotando. Caso o clube de General Severiano não pague os vencimentos até o dia 5 de maio, os atletas poderão acionar a Justiça e pedir o desligamento do time, já que chegará a três meses de atraso.

Embora a diretoria alegue que os salários são pagos sempre no dia 20 do mês seguinte, o acordo não consta no contrato do elenco e ainda fere a Lei Trabalhista. A última vez que o dinheiro caiu na conta dos jogadores foi em fevereiro, quando foi pago o mês de janeiro.

O alvinegro carioca vem passando por uma grande crise financeira, desde que 100% de suas receitas foram penhoradas pela Justiça do Trabalho e pela Fazenda Nacional, no início de 2014. Até os salários dos funcionários não estão sendo honrados.

A crise em General Severiano é antiga. De acordo com o site da Justiça Federal, há 64 processos em andamento contra o clube desde 1993. Muitos processos estão em parcelamento, mas a maioria não vem sendo paga. Na última sexta-feira mais uma ação judicial foi impetrada, cobrando da instituição R$ 447.833,10, referente a dívidas administrativas: Taxa de ocupação/laudêmios/foros – Dívida Ativa não-tributária.

O grande inimigo dos cofres alvinegros são dívidas tributárias, referentes a não pagamentos de impostos como PIS, Cofins, entre outros, além de processos da Caixa Econômica Federal por questões relativas ao FGTS.

Já no sítio da Procuradoria Geral da Fazenda Nacional, que aciona a seção judiciária do Rio de Janeiro da Justiça Federal para cobrar os débitos, o montante da dívida do Botafogo atualmente é de cerca R$ 171 milhões.

Neste montante não está incluído a dívida trabalhista, que também vem abocanhando boa parte das receitas do alvinegro. Para solucionar esse problema os cartolas esperam ser incluídos novamente no Ato Trabalhista. Outra ajuda que pode aliviar as finanças é a aprovação pelo governo federal do Proforte, novo projeto de lei para refinanciamento das dívidas públicas dos clubes.

Maré ruim também em campo

O empate por 2 a 2 com o Internacional, no domingo, em pleno Maracanã, pela segunda rodada do Brasileiro, trouxe um pouco de alívio para o Botafogo, que viu o adversário balançar a rede duas vezes antes de conseguir igualar o placar. A última vitória do clube aconteceu no dia 18 de março, quando enfrentou o Independiente del Valle, pela Libertadores, e teve o placar positivo de 1 a 0. No Campeonato Carioca o elenco ainda conseguiu um empate por 1 a 1, com o Nova Iguaçu, no dia 22 de março.

A contratação de Emerson, com um salário não condizente com a atual realidade financeira, também causou saia justa no clube. Embora o atacante tenha sido bem recepcionado pelos novos companheiros e venha ganhando simpatia dos torcedores, principalmente por ter marcado um gol contra os gaúchos e ter lutado os 90 minutos do jogo, o alto valor ainda é visto com resignação.

O Botafogo não pagará diretamente os vencimentos do atacante. O Corinthians continuará bancando o valor integral, cerca de R$ 540 mil, mas o Botafogo vai repassar todo mês metade do montante para o clube paulista. Para o novo técnico, Vagner Mancini, que assumiu o elenco há 10 dias, em meio à crise financeira, a falta de salários não está influenciando a fraca atuação dos atletas dentro das quatro linhas.

“A falta de salário, sinceramente, acho que não influencia. Ela influi quando ao longo do tempo você passa a não ter a concentração necessária, quando você sai chateado do treino e não consegue, quando retorna ao clube, tirar isso daí. O atraso de salário é terrível, mas a julgar pela disposição dos atletas, não está interferindo. O que interfere é exatamente a perda de concentração daquilo que está fazendo”, disse.

“Estamos iniciando um Campeonato e aquilo que foi feito no Estadual e na Libertadores já passou e o atleta tem que virar a página. Tenho dito a eles, que neste momento o mais importante é voltar a ganhar jogos e ter uma equipe vencedora, assim tudo fica mais fácil. Quando o time não vence, começa a haver descrédito não só em cima dos jogadores, mas da comissão técnica e da estrutura do clube. Isso é muito ruim”, analisou Mancini.

Fonte: Terra