As conversas entre Botafogo e Fabrício Carvalho, ex-Cabofriense, na reta final do Campeonato Carioca se encaminhavam para um final feliz, mas nos últimos dias parece ter perdido força. Com a crise financeira vivida pelo clube, criou-se a dúvida sobre a concretização do negócio, já que o time de General Severiano enfrenta dificuldades para arcar com os salários dos jogadores que já fazem parte do elenco. O atacante de 36 anos, que se destacou na competição estadual com a camisa da equipe da região dos lagos do Rio de Janeiro, ao tomar conhecimento de um possível cancelamento de sua transferência para o Glorioso, lamenta o atual cenário, ainda mantém as esperanças por uma resposta positiva do Alvinegro e desabafa.

“É uma situação bastante complicada. Imagina você ter uma proposta no seu e-mail e, de repente, vê na imprensa que existe uma possibilidade da desistência do Botafogo. Acho uma falta de ética enorme. Não saiu da boca da diretoria do Botafogo, mas se isso vier a ser concretizado (a desistência) a falta de ética terrível. Mesmo quando estava jogando na Cabofriense já havia uma negociação, o que gerou uma ansiedade muito grande. Eu entendo a situação difícil que o clube atravessa, mas estou aguardando uma posição. Espero que eles mantenham a palavra das duas ou três semanas que tivemos na negociação. Na última conversa que me irmão teve com a diretoria, não havia nenhum descarte.”

O jogador garante ter uma proposta do Botafogo em seu e-mail e teme por um cancelamento do negócio. Segundo ele, após ser confirmada a conversa com o clube, a procura de outros empresários interessados em negociá-lo diminuiu consideravelmente e, agora, isso pode ser prejudicial para a sequência de sua carreira.

“Saiu na imprensa o interesse do Botafogo e, a princípio, não foi por mim, mas pelo próprio clube. Foi divulgado antes de eu confirmar e, depois disso, eu sempre confirmei. Logicamente quando há uma confirmação da proposta, alguns clubes acabam se afastando. Até alguns empresários que me procuravam pararam de me procurar. Por isso sugeri um pré-contrato para ter uma garantia, mas não foi possível pelo meu contrato com a Cabofriense estar em vigência. Espero que o Botafogo se organize, estou bastante chateado. Peço que eles mantenham a palavra para que isso não venha a me prejudicar.”

Segundo informações apuradas pela reportagem da Super Rádio TUPI, a possível vinda de Émersom Sheik praticamente encerra as contratações do Botafogo, ao menos neste período em que o clube está focado na Libertadores da América. Vale ressaltar que o time de General Severiano acordou com a equipe paulista o pagamento de metade do salário do atacante. Ciente disso, Fabrício Carvalho, no entanto, não acredita que a negociação com Sheik possa ter interferido em seu vínculo com o Glorioso.

“Posso te confirmar que comparado ao que Émerson recebe, a minha proposta é risória. Meu contrato é por produtividade, não se compara ao que o Émerson recebe. Mérito dele (Émerson Sheik), por tudo que ele fez no futebol. não estou falando isso está interferindo na minha contratação. Tenho acompanhado a parte financeira do clube, que está sendo bloqueada. Mas não entendo como a contratação do Émerson possa ter interferido na minha contratação.”

Confira outros tópicos da entrevista

Vontade de jogar no Botafogo

“Não vou falar em valores, mas a proposta é bem baixa e mesmo assim aceitei. Mesmo sendo um contrato por produtividade e com as dificuldades financeiras vividas pelo Botafogo. Nada disso me desanimou. Para vestir a camisa do Botafogo eu enfrentaria qualquer tipo de adversidade. Tomara que isso se resolva. Sempre mantive minha palavra e até sugeri um pré-contrato para eles me assegurarem após o Campeonato Carioca. A procura por mim foi boa e eu tendo que negar, pois tenho a proposta do Botafogo no meu e-mail.

Expectativa por desfecho do negócio

“Entendo a situação deles (Botafogo), é realmente difícil. Mas preciso seguir minha carreira. Até agora eles não descartaram. Preciso que eles me deem uma satisfação, não ouvi nada da boca deles. Estou aguardando uma posição. Espero que eles mantenham a palavra como estou mantendo a minha. Já faz alguns dias que tento o contato e não consigo. Espero que no retorno da Argentina, o diretor possa entrar em contato comigo para dar uma satisfação.”

Fonte: Site da Rádio Tupi