Falhas no Engenhão podem afetar segurança do público nas Olimpíadas de 2016

Compartilhe:

Um relatório obtido com exclusividade pela GloboNews aponta falhas graves no entorno do estádio do Engenhão, que podem comprometer a segurança do público durante os Jogos Olímpicos de 2016. A análise foi feita pela OTC Limited, empresa contratada pelo Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento, que tem convênio com a prefeitura do Rio, e foi baseada em um estudo contratado pela Companhia de Engenharia e Tráfego do Rio em 2012.

Os problemas começam nas dependências do estádio. Durante os jogos, apenas duas das quatro saídas do Engenhão serão usadas pelo público. Outras serão utilizadas apenas pela organização do evento. O relatório alerta que concentrar a saída dos torcedores em dois portões vai provocar congestionamento de pessoas e aumentar o risco de confusões. “Isso quebra toda a lógica de saída do estádio, segundo o relatório. Esse problema não é trivial, porque a modelagem foi feita só com as condições normais. Eles nem colocaram os eventos emergenciais que podem forçar uma evacuação. Nesse caso, essa conjunção estaria no limite e é inviável”, afirma o especialista em gerenciamento de risco Moacyr Duarte.

Com novas arquibancadas nos setores norte e sul, o Engenhão vai poder receber até 60 mil pessoas. O objetivo é que após cada competição o entorno do estádio seja esvaziado em até uma hora, mas o relatório aponta que, se nada for feito, dificilmente isso vai acontecer. Falhas no caminho entre o estádio e a estação de trem de Engenho de Dentro, por onde devem passar 70% do público do Engenhão durante as Olimpíadas, devem retardar a saída das pessoas e provocar confusões.

O relatório aponta que, mesmo com a construção de uma nova passarela entre o estádio e a estação, as pessoas ainda vão passar aperto. Um programa de computador simulou a saída da multidão do estádio. Dentro da estação, o público é direcionado para um mezanino e só neste ponto decide para qual das cinco plataformas deve seguir. Como grande parte do público não vai estar familiarizado com a estação, a demora na escolha pode provocar mais atraso e confusão.

Para piorar, as escadas de acesso aos trens diminuem as já estreitas plataformas. O relatório destaca que, em alguns pontos, a largura se reduz a menos de dois metros. A equipe da GloboNews mediu esses espaços e encontrou alguns que não passavam de 80 centímetros. Segundo o relatório, as plataformas devem ficar superlotadas. “Pela indicação do relatório, é uma questão de realizar obras para que a decisão do embarque seja tomada fora da estação, a ampliação do número das rampas de acesso e a modificação dos layouts dos mezaninos”, aponta Duarte.

O estudo, elaborado por uma consultoria sediada em Hong Kong, é categórico. “Os planos elaborados para o estádio João Havelange, seu entorno e para a estação de Engenho de Dentro falham por não entregar um serviço seguro, confortável e eficiente ao espectador que usar o sistema durante os Jogos Olímpicos. Se mudanças severas não forem feitas, é provável que haja um grande risco de ocorrerem falhas múltiplas”, indica o documento.

“Nós ainda temos dois anos, que é tempo mais do que suficiente para que sejam implementadas todas as modificações recomendadas no relatório, tanto no âmbito do estádio João Havelange quanto na plataforma de trem que é o principal modal de transporte”, avalia o especialista em gerenciamento de risco.

Em nota, a Empresa Olímpica Municipal afirmou que a prefeitura do Rio está realizando uma intervenção urbanística no entorno do estádio João Havelange com o objetivo de melhorar as condições de circulação e acessibilidade para o espectador e público em geral.  Quanto à necessidade, citada no relatório, de esvaziar o entorno do estádio em uma hora durante os Jogos Olímpicos, a prefeitura disse que o objetivo é realizar o esvaziamento em tempo adequado para que o público possa embarcar nos serviços de transportes com conforto e segurança.

Em relação às falhas da estação de trem do Engenho de Dentro, procuramos a Secretaria Estadual de Transportes. Em nota, a secretaria afirmou estar finalizando o projeto básico para começar as obras na estação e que este projeto vai contemplar as soluções para todos os aspectos apontados pelo relatório, que já eram de conhecimento dos engenheiros.

Fonte: GloboNews

Comentários