A Federação Carioca de Futebol (Ferj) e a Comissão de Arbitragem de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Coaf) decidiram punir o árbitro João Batista de Arruda e o assistente Luiz Muniz por tempo indeterminado após os erros no clássico de sábado (3) entre Flamengo e Botafogo.

Na partida válida pela Taça Rio, no Engenhão, o árbitro e o assistente não viram o impedimento do zagueiro Rhodolfo no lance que originou o gol que deu a vitória ao Flamengo logo aos 3 minutos de jogo. Após cruzamento de Diego, numa falta, Rhodolfo, adiantando, ganhou a disputa com Igor Rabello e fez o gol.

No segundo tempo, um outro erro foi apontado pela Coaf, num vídeo apresetando na manhã desta segunda-feira (5), no canal da Ferj no Youtube, chamado “De Olho na Regra”, e apresentado por Sérgio Santos, coordenador da comissão de ensino da Coaf. Aos 27 minutos do segundo tempo, o atacante Everton acerta uma cotovelada em Leandro Carvalho e o árbitro, próximo ao lance, sequer marcou falta. Para a Coaf, esse lance foi também um erro grave.

Assim, o árbitro João Batista de Arruda e o assistente Luiz Muniz terão agora que passar por um treinamento para se recapacitar e poder retornar à escala de arbitragem, sem tempo determinado.

O clássico entre Flamengo e Botafogo teve pela primeira o uso do VAR (sistema de vídeo de arbitragem), mas apenas de forma experimental e sem interferência na partida. A Ferj ainda deverá usar o VAR em mais nove jogos no Estadual do Rio antes de implementar oficialmente o uso na competição. Sete câmeras posicionadas no Engenhão foram responsáveis por captar imagens da partida e o árbitro Bruno Arleu foi o encarregado de observar os lances diante de um monitor.

Fonte: R7