O veto do Botafogo ao Flamengo no estádio Nilton Santos fez o clube da Gávea mudar os planos para a sequência da temporada. No momento, o Engenhão foi deixado de lado pela diretoria rubro-negra e as negociações para um pacote de partidas estão paralisadas. Futuramente, no entanto, a volta do diálogo entre as partes não está descartada. A medida coloca o Alvinegro em situação financeira ainda mais delicada e podendo deixar de ganhar pelo menos R$ 2 milhões.

O Flamengo negociava um pacote de partidas para jogar no estádio do Botafogo. A ideia era utilizar o Nilton Santos em detrimento ao Maracanã, que tem custo muito alto. Com a relação novamente abalada após a comemoração do “chororô”, a opção de fazer os jogos grandes no Engenhão foi adiada. O Rubro-negro não descarta conversar no futuro após o presidente do Botafogo, Nelson Mufarrej, ter suavizado o discurso na última quarta-feira (14), mas precisaria obter um acordo comercial com segurança em relação ao estádio.

O clube da Gávea imagina que o negócio não pode ser quebrado por reações emocionais. Agora, por exemplo, teria de ser convencido pelo Alvinegro de que o Nilton Santos trata-se de uma opção segura para mandar os seus jogos.

Desta forma, o planejamento do Flamengo voltou ao que era no ano passado. O time mandará 90% dos jogos na Ilha do Urubu. As partidas maiores e especiais, casos de confrontos decisivos e pela Copa Libertadores, serão negociadas com o Maracanã.

Há, no entanto, uma diferença considerável e que será colocada em prática após o novo capítulo da briga nos bastidores com o Botafogo. O Flamengo venderá mais jogos para outras praças em 2018.

Pelo menos cinco partidas devem ser negociadas na temporada, conforme autorização da CBF (Confederação Brasileira de Futebol) para o Campeonato Brasileiro. Todas, porém, antes das cinco últimas rodadas como mandante na competição. O Rubro-negro voltará a negociar com Natal e tem Brasília e Cariacica como locais praticamente certos para recebê-lo em 2018.

O Botafogo, por sua vez, perdeu um importante parceiro comercial. Após ser eliminado na primeira fase da Copa do Brasil e deixar de ganhar verba de premiação considerável – esperava chegar pelo menos às oitavas de final e levar aproximadamente R$ 8 milhões -, o Alvinegro já via com bons olhos negociar um pacote de jogos do rival para o Nilton Santos.

O dinheiro da parceria viria para repor parte da quantia perdida com a inesperada e vexatória eliminação para a Aparecidense-GO. Para se ter uma ideia, os R$ 2 milhões que poderiam entrar pelo Flamengo representam o dobro do que o Botafogo teve de lucro com bilheteria em 2015 e 2016 – R$ 1 milhão em cada. Vale ressaltar que esse valor seria apenas por um pacote inicial, que poderia ser estendido ao longo da temporada.

Apesar dos números, o Botafogo sustenta que não havia no orçamento a previsão de ganhos com aluguel do estádio. “Essa questão de não ter jogos do Flamengo não é tão significativa porque eram R$ 100 mil de aluguel. E há outras coisas de ganho intangíveis como o apoio da torcida. Tem que considerar isso”, disse o vice financeiro do Alvinegro, Luiz Felipe Novis.

Fonte: UOL