Henrique foi contratado pelo Botafogo cercado de expectativas em 2013. Ele teve passagem destacada pela seleção de base, onde foi artilheiro e eleito melhor jogador do Mundial Sub-20 em 2011. Porém, o atacante jamais se firmou no Alvinegro e pediu para ser negociado para um outro clube. A diretoria de General Severiano, claro, não se opôs. Tudo por conta do alto custo do atleta, que deu retorno pífio até o momento.

O Botafogo investiu US$ 1 milhão (cerca de R$ 2 milhões na oportunidade) para comprar 50% dos direitos econômicos do jogador, que recebe R$ 135 mil mensais. O Alvinegro ficou com o atleta pelo período de dois anos e meio, sendo que durante 8 meses ele defendeu o Bahia. Somando seus vencimentos e o valor inicialmente, o clube de General Severiano já gastou o equivalente a R$ 5 milhões.

E o retorno dentro de campo foi muito aquém do esperado. Em 2013, sua primeira temporada, Henrique passou entrou em campo em 23 jogos e sequer marcou gol. A seca acabou apenas em 2014, quando o Botafogo utilizou os reservas no Carioca por priorizar a Libertadores. O atacante viveu bom momento e marcou seus únicos cinco gols pelo Alvinegro. Uma simples conta estarrece o torcedor: o jogador ganhou R$ 1 milhão por cada vez que balançou as redes.

A saída de Henrique, inclusive, gera ansiedade no Botafogo, que gasta mensalmente uma quantia valiosa com jogadores fora dos planos, como Airton, por exemplo. Caso consiga negociar o atacante, o Alvinegro poderá usar o valor para investir em reforços para a equipe da na Série B, principal objetivo da temporada.

Para a sorte do Botafogo, Henrique tem mercado. No ano passado ele chegou a ser emprestado ao Real Madrid B, mas um problema na documentação impediu a transação. Assim, ele fechou com o Bahia. E outras equipes já mostram interesse em levar o jogador. Um deles é o Sporting-POR, que está disposto a contratá-lo a partir da próxima janela de transferências, no meio do ano.

Fonte: UOL