Os goleiros Gatito Fernandez e Jefferson deram um importante passo para estarem novamente à disposição do técnico Zé Ricardo. Ambos participaram pela primeira vez das atividades normalmente com o restante do elenco. Em entrevista no programa Giro Esportivo, o preparador de goleiros Flávio Tênius falou da situação dos dois jogadores nesta quarta-feira (24).

– Gatito em duas ou três vezes esteve próximo de voltar, sentiu, deu recuada. Nesta quarta participou normalmente com o grupo, claro que se recondicionando. Procurar fazer participar de todas as atividades, além do trabalho específico, para conseguir colocar em condições. Jefferson já vem de duas semanas trabalhando com a gente, com algumas restrições, mas a cada dia que passa vão desaparecendo. Hoje trabalhou com o grupo, os dois juntos, é de uma satisfação enorme. Não deve ser fácil para dois profissionais ficarem ausentes das atividades que têm prazer em fazer.

Flávio Tênius descartou a possibilidade de volta contra o Atlético-PR.

– Entendo a ansiedade de todo mundo, pois o ideal é ter todos os jogadores à disposição. Esse ano foi muito complicado, sempre um teve problema. Estamos conseguindo, até pela qualidade dos nossos jovens, que têm correspondido acima da expectativa. Estamos satisfeitos com isso. Esse jogo sábado não tem chance nenhuma para os dois (Gatito e Jefferson), vamos avaliando dia a dia para entrarem em uma forma razoável ou ideal.

O preparador comentou a ansiedade de ambos em voltar a jogar futebol.

– Estão muito ansiosos, difícil ficar muito tempo sem jogar, fazer o que mais gostam. Os 4 goleiros que realmente são o do profissional, que contamos, treinaram nesta quarta. Nesse período temos trabalhado com atletas da base, que têm nos ajudado, mas é uma satisfação poder trabalhar com os 4 do profissional. Ficamos muito felizes, eles também. Ficam ansiosos, estão correndo contra o tempo, é torcer para que não tenham mais nenhum problema e possam retornar de vez.

Gatito Fernandez

O Jogador esteve duas vezes próximo do retorno e voltou a sentir dores no punho da mão direita. No último caso, a reportagem da Super Rádio Tupi apurou que o goleiro sofreu um novo trauma em uma região próxima de sua lesão, antes da partida contra o Ceará (15/10). O Fato aconteceu por ele ter feito um movimento e caído em cima da bola. Gatito passou por uma ressonância magnética, onde ficou constatado um pequeno edema na região da Ulna. Os exames foram mostrados ao especialista Dr. Rodrigo Berlink. Optou-se novamente pelo tratamento conservador.

Posteriormente, Gatito foi submetido a uma artroressonância e o exame não apontou lesão ligamentar. O goleiro viajou para São Paulo ao lado do médico chefe do departamento Alvinegro, Christiano Cinelli, e foi consultado pelo chefe da USP, Dr. Rames Mattar, referência em mãos no hospital Albert Einstein. O diagnóstico do médico paulista corroborou o procedimento adotado pelo clube e os especialistas: Tratamento conservador. Esse novo edema sofrido foi uma fatalidade natural que qualquer atleta pode sofrer.

Desde então, Gatito vinha fazendo tratamento integral de reabilitação junto à fisioterapia para diminuir o processo inflamatório. As dores diminuíram significativamente e o jogador demonstrou estar mais confiante para lidar com a situação e poder retornar aos gramados.

Fonte: Rádio Tupi