Fato raro desde os inícios das especulações de possível apoio ao Botafogo, os irmãos Moreira Salles voltaram a se pronunciar neste sábado. Em entrevista à “Folha de S. Paulo”, o documentarista João Moreira Salles declarou não ter intenção de gerir o clube.

– O que meu irmão e eu fizemos foi apenas contratar um estudo sobre a situação do clube, um diagnóstico dos problemas, seguido de indicações de possíveis saídas. Recebemos o trabalho e o passamos à diretoria do Botafogo – afirmou João.

O projeto, estruturado pela Ernst & Young, prevê a criação de uma SPE (Sociedade com Propósito Específico), que atrairia inicialmente R$ 300 milhões com investidores para dívidas a curto prazo e comandaria o futebol do clube.

Ainda segundo a “Folha”, João Moreira Salles enviou carta ao clube.

Nosso compromisso com o Botafogo cessa com a entrega do estudo. Não temos projetos políticos pessoais em relação ao Botafogo. Não seremos candidatos a nada, tampouco temos predileção para que o clube se torne isto ou aquilo – seja agremiação sem fins lucrativos, clube social, fundação ou empresa. Acima de tudo, não queremos ser donos do clube – frisou.

– Se essa possibilidade surgisse graças a mudanças no estatuto, nem assim nós não a perseguiríamos – completou.

Do lado do Botafogo, o entusiasmo é grande por haver apoio dos irmãos Moreira Salles. Mesmo sem querer gerir o clube, eles serão fundamentais.

– A compra recente do nosso centro de treinamento só foi possível com a fundamental ajuda deles. Terem encomendado esse estudo e serem entusiastas do novo modelo empresta muita credibilidade ao projeto. Estamos seguros de que,com adequada governança, o novo modelo será atrativo aos investidores e representará um marco, não só para Botafogo, mas para o futebol brasileiro – aposta Gustavo Noronha, vice-presidente de futebol do Botafogo.

Fonte: Redação FogãoNET e Folha de S. Paulo