Um novo Jobson? Quem convive ao seu lado garante que o atacante problemático mudou. Não somente por suas atuações no Botafogo, mas principalmente pela vida pessoal. Ele decidiu, por exemplo, que vai trazer para o Rio a mãe, Maria de Lourdes, que mora em Conceição do Araguaia, no Pará. Quer também trazer de Brasília com mais frequência o filho Victor Leandro, de 5 anos. Jobson quer deixar de morar em General Severiano. Jobson agora faz planos.

Mas, com três gols no Campeonato Estadual, o atacante vai também se valorizando e, continuando assim, estará bem mais caro ao fim do seu contrato, no dia 24 de junho.

– Numa eventual renovação, as coisas precisam ser boas para os dois lados e não somente para o Botafogo – avisa o advogado Rodolpho Cézar, que representa o jogador. – Jobson tem que ser valorizado. Não é porque ele tem um histórico x ou y que não se levará em conta o momento dele – acrescenta o advogado.

O Botafogo larga na frente por ter, aparentemente, ajudado a recuperar o atacante.

– O Antônio Lopes (gerente de futebol) está próximo e passa confiança. O Botafogo tem mérito, mas nada adiantaria se o Jobson não quisesse. Ele mudou. Não é um novo Jobson. Esse é o Jobson – diz Rodolpho Cézar.Tomara.

Talvez seja sua última chance.

Fonte: Blog Extracampo - Marluci Martins - Extra Online