Com cinco meses de direitos de imagem atrasados, mais três de carteira de trabalho, além de FGTS, os jogadores do Botafogo já possuem instrumentos suficientes para acionar à Justiça e buscar o desligamento do clube, entretanto, um pacto entre eles decidiu pela não debandada, considerando a possibilidade somente em caso de extremidade.

Técnico que admitiu durante a semana o temor pela saída em massa de atletas, o técnico Vagner Mancini torce para que o acordo seja cumprido.

“Já está difícil montar a equipe, e aí, se eu passar a perder peças, será muito mais difícil. Hoje ainda não temos um elenco balanceado. Espero, sinceramente, que ninguém saia. Faço até um apelo para que cheguem mais jogadores. Se eles saírem, seriam perdas irreparáveis num sistema de jogo que começa a dar certo”, apelou.

Mancini revelou que vem tentando ser um elo de ligação entre a diretoria e os jogadores insatisfeitos, com a preocupação de manter uma sintonia dentro do possível.

“Tenho tentado buscar informações de forma inteligente, até para que não magoe as partes. Não é uma tarefa muito agradável. Acho que, de uma forma muito inteligente, os atletas têm passado a mensagem de que estão chateados e, do outro lado, tem a diretoria que tem tentado buscar soluções. Acredito que rapidamente o panorama será modificado”, opinou.

Questionado se a diretoria havia lhe passado alguma informação sobre a proximidade de um pagamento, o treinador não deu como resposta uma precisão:

“A mensagem que está sendo passada é que estão fazendo de tudo para que rapidamente isto seja alterado e que uma nova fase comece”.

Nos últimos dias, a imprensa portuguesa noticiou que o goleiro Jefferson está na mira do Benfica (POR). Já o atacante Emerson Sheik, que não passa por problemas de salários atrasados por receber do Corinthians, declarou ao jornal “Extra que, se ele estivesse na pele de alguns, sairia do clube. O mesmo vem ajudando financeiramente os mais necessitados.

Fonte: UOL