Jogadores reclamam de arbitragem com a diretoria

Compartilhe:

A arbitragem vem sendo alvo de diversas criticas por parte dos jogadores do Botafogo. O elenco alvinegro tem reclamado bastante da falta de critérios dos árbitros das competições que a equipe está participando, e também das entradas violentas por parte dos adversários, e que não têm sido punidas com cartões, sejam eles vermelhos, ou amarelos. O gerente executivo de futebol do Glorioso, Doutor Aníbal Rouxinol, aponta que recebeu uma reclamação formal da equipe, em relação à arbitragem, principalmente na Copa do Brasil.

“De fato, há algum tempo vemos arbitragens que não estão a altura das competições que estão sendo disputadas. Falta de critério em muitas situações, de um jogo para o outro tem uma variação muito grande do que pode ou não ser feito dentro de campo, e os atletas vem, reiteradamente, reclamando junto à gerência. Vem chamando muito a atenção também a questão com relação ao Seedorf. De alguns jogos para cá, nós temos notado muita dificuldade que ele tem para dar seguimento à jogada. Ele vem sofrendo faltas principalmente quando ele protege a bola para fazer uma jogada. Sofre falta por cima, por baixo, e os árbitros estão dando sequência ao lance e isso está prejudicando o jogo dele. Tem dificuldade de dialogar dentro de campo, e isso é muito ruim para o desenrolar da partida, às vezes é bom ter diálogo com os atletas, um diálogo, obviamente, respeitoso, faz com que a partida siga em uma normalidade. Isso vem chamando bastante a atenção, prejudica o andamento e o estilo de jogo do Botafogo nessa competição, e também no Brasileirão.”

O volante Marcelo Mattos foi outro a falar dos problemas que a equipe vem enfrentando com a arbitragem nas competições em que está participando. Ele recriminou a entrada sofrida no jogo com o Atlético-MG, no Maracanã, pela Copa do Brasil, do meio-campo do Galo, Ronaldinho Gaúcho. Ele afirmou que somente os volantes e os zagueiros costumam ser taxados como violentos, e que jogadores como o camisa 10 do Atlético, considerado habilidoso, não costumam ser considerados desleais.

“Acho que não tem nenhum problema um jogador chegar firme em um jogador do Botafogo na dividida, não tem problema nenhum. Mas é ruim quando chega na maldade. Muitas pessoas olham para aquele jogador, vêem que é o camisa 10, e dizem que ele não bate, não é desleal, não foi na maldade. Mas quando é o camisa 5, o camisa 3, aí esse foi na maldade. A gente não está tendo punição do outro lado. Hoje eu estou recuperado do meu pé, do que aconteceu comigo e com o Ronaldinho. Joguei com uma dificuldade enorme contra o Atlético-PR, já estava um pouco melhor contra o São Paulo, mas agora estou bem, podendo dividir uma bola com segurança. A gente fica dois jogos dando uma segurada por causa de um machucado. Eu acho que foi uma jogada chata, e que ele não foi na bola.”

Marcelo foi atingido, ainda no primeiro tempo da partida contra o Galo, com uma forte solada e teve que, no intervalo, receber uma infiltração para voltar para o segundo tempo. O jogador realizou um exame no pé direito, que felizmente não apontou lesão, mas jogou no sacrifício diante do Atlético-PR, em Curitiba, e do São Paulo, no Maracanã.

Recentemente, em lance que gerou grande repercussão, o lateral-direito Lucas foi atingido por um carrinho lateral pelo meio campo Zé Roberto, do Grêmio, e prendeu o pé esquerdo no gramado, e fraturou o local. Ele passou por cirurgia e só deve retornar aos gramados no final de outubro, ou no início de novembro. O jogador perdoou o adversário, e afirmou que o lance foi uma infelicidade, e um lance normal de jogo.



Fonte: Site da Rádio Tupi
Comentários