O Botafogo não é grande: é gigante!

Tem quem conteste, difícil dizer se por maldade, ignorância ou de boa-fé, que clubes como o Botafogo ainda seja um dos 12  grandes do Brasil.

O Vasco é outro que, por ter caído três vezes, é contestado.

Ora, o Vasco tem a quinta maior torcida do país em quaisquer pesquisas e Botafogo e Fluminense revezam  nelas no 11º ou 12º lugares.

Além do mais, valorizar o aspecto histórico de cada clube não é coisa de velho ou de museu, como dizem alguns que imaginam que a História começa quando eles nasceram.


Um clube que teve Nilton Santos, Didi, Mané Garrincha, Gérson, Jairzinho e Paulo César Caju, para ficar só nesses gênios, e que ganhou os títulos que ganhou, além de ter sido fornecedor por excelência de jogadores para as melhores Seleções Brasileiras (se não fosse por Amarildo o bicampeonato mundial não teria sido conquistado no Chile) , não pode ser desprezado nem de brincadeira ou provocação barata.

Para que outro ocupe seu lugar no ainda restrito clubes de 12 grandes será preciso superá-lo em craques, títulos e torcida.

É possível?

É possível, mas difícil como ganhar de um time que tivesse Manga, Carlos Alberto Torres, Sebastião Leônidas, Nilton Santos e Marinho Chagas; Gerson, Didi e Paulo César Caju; Mané Garrincha, Heleno de Freita e Jairzinho, numa escalação que só João Saldanha poderia comandar para deleite dos textos de Armando Nogueira.

São 20 títulos cariocas, a maior parte quando valiam muito, quatro torneios Rio-São Paulo, uma  Taça Brasil, um Brasileirão…

Respeitem o Botafogo e não cuspam para cima que cai na cabeça.

Fonte: Blog do Juca Kfouri - UOL