Landau: ‘Queremos jogar 75% no Maracanã e 25% no DF’

Compartilhe:

Também negociando com o Maracanã para a utilização do estádio nos jogos do Campeonato Brasileiro, o Botafogo já deixou claro que não fará um negócio nos mesmos moldes do que foi feito pelo Fluminense. “A princípio, voltaremos a ter um estádio a partir de 2015, então o Maracanã servirá ao Botafogo apenas para alguns jogos. Não será a solução para os nossos problemas”, disse Sérgio Landau, diretor de futebol do clube, que contou um pouco da saga vivida pelo clube para realizar o clássico contra o Fluminense em Recife:

“Nem fizemos buscas por outros estádios, porque nosso objetivo era jogar no Maracanã. Pouco antes da data de definir o local, o consórcio informou que a FIFA não liberaria o estádio a tempo. O Botafogo, então, partiu para a busca. Brasília era uma opção, mas eles ficaram receosos porque já haveria o jogo Flamengo e Coritiba, pela questão do gramado e tal. Já tínhamos feito isso no Engenhão, mas respeitamos. E de repente ficamos sem um estádio para receber um jogo com Seedorf, a volta de jogadores como Fred, Diego Cavallieri e Jefferson. Procuramos a Fonte Nova,e depois finalmente chegamos a Recife”, relata. O público do jogo, porém, foi um fracasso: apenas sete mil torcedores viram a vitória do Botafogo por 1 a 0.

Para Landau, a principal perda com a indefinição sobre a casa do clube é na estrutura. Ultimamente, o time tem jogado em Volta Redonda, mas o fato de ter que viajar para jogar todos os jogos em casa não é considerado um atrativo:

” O que nos incomoda é você não conseguir fazer um planejamento. Há deslocamento, torcida, viagem, várias coisas envolvidas. Desde o aspecto comercial até o profissional. Queremos fazer um planejamento em Brasília, um pacote, ver quais jogos poderemos fazer lá, até porque há uma grande torcida do Botafogo aqui. Não podemos decidir é com dois dias de antecedência o estádio onde vai se jogar. Estamos querendo acertar uma quantidade de jogos no Maracanã, mas isso ainda está sendo negociado”, disse Landau, que apesar do revés na última negociação para utilizar o Estádio Nacional, considera Brasília uma opção válida quando não puder utilizar o Maracanã. “O objetivo é jogar 75% dos jogos no Maracanã e 25%  em Brasília”, finalizou.



Fonte: Jornal do Brasil
Comentários