Apesar da sequência de dois jogos na TV aberta – contra Cabofriense e Fluminense – e de dois clássicos – diante do Flu e contra o Vasco, neste domingo -, o Botafogo não conseguiu fechar patrocínios pontuais, como fez no Campeonato Carioca do ano passado. A camisa alvinegra segue “limpa”. Márcio Padilha, vice-presidente de comunicação do clube, já afirmou que foram feitas 109 propostas para empresas apenas em 2015. E culpou a crise que o país atravessa.

– O mercado está assim, não vou querer justificar o nosso problema com o dos outros, mas você vê que o São Paulo está jogando a Libertadores sem patrocínio master, o Santos está sem patrocínio master, o Flamengo só ficou com a Caixa. Quem não está com a Caixa… Só o Palmeiras que tem a Crefisa. Então o mercado está fechado, não é um problema só do Botafogo. E eu sou muito questionado pela torcida: “Ah, mas o Tigres do Brasil tem oito patrocínios na camisa”. Mas o valor dos oito não dá o Voxx que temos na manga. Eu não posso depreciar a camisa. Aquele patrocínio pontual que fizemos ano passado da Casa & Vídeo, nós na época não tínhamos os gráficos de Ibope, mas aquilo deu uma repercussão fantástica para a Casa & Video, para a Ricardo Eletro… Se a gente tivesse esses números, tenho certeza que eles teriam continuado a fazer. A falta do estádio também nos tira uma contrapartida interessante nesse caso do patrocínio porque a gente dava placa, camarote… Situações que facilitavam a negociação – explicou Padilha, ao site Globoesporte.com.

Para conseguir parceiros fixos, o Botafogo conta com o auxílio de Marcelo Hargreaves, profissional da área de marketing, ex-diretor da Concessionária Maracanã S/A, ex-gerente da Ambev e atual jogador de vôlei do clube – ele não será funcionário, trabalhará de forma externa ganhando variável.

– Não é o Padilha que resolve tudo, é o mercado. A gente tem pessoas envolvidas nisso, tem duas empresas de São Paulo, a Hunter e a Wolf, o caçador e o lobo, os dois estão buscando contatos em São Paulo. Tem duas empresas aqui no Rio, pegou o Marcelão Hargreaves que também está fazendo um projeto. O dele não é só focado em patrocínio master, é uma coisa mais ampla, trazer outros tipos de investidores. É uma dificuldade, tem várias pessoas trabalhando nisso. A gente ainda tem esperança, não desistimos da Caixa Econômica, mas tem a pendência da CND – completou Márcio Padilha.

Fonte: Globoesporte.com