Na reta final de seu mandato à frente do Botafogo, Maurício Assumpção não compareceu na noite desta quinta-feira à reunião extraordinária do Conselho Deliberativo do clube, o que deixou ainda mais evidente seu isolamento político. Sem o presidente, que alegou compromissos inadiáveis e irritou os conselheiros, a sessão ganhou ares de campanha para presidente, já que em novembro haverá eleição para o cargo. Todos os cinco pré-candidatos fazem oposição a Assumpção. Foi decidida na reunião a criação de uma comissão para gerir a crise financeira. Uma nova reunião foi convocada para o dia 19 para decidir os limites de atuação do grupo.

Mandatário do Botafogo em 1995, quando o clube ganhou seu último título nacional, o presidente Carlos Augusto Montenegro foi um dos que discursou durante a reunião. Depois, ele falou com exclusividade ao GLOBO sobre o momento político e financeiro. Principal articulador da campanha que elegeu Maurício Assumpção no fim de 2008, Montenegro negou que a comissão formada fará uma intervenção no clube e criticou os últimos meses da atual gestão.

Como foi recebida a ausência do Maurício Assumpção à sessão?

– Me surpreendeu porque até o momento, pelo menos, ele vinha demonstrando muita coragem.

Hoje ele está isolado no clube. Qual foi o principal erro do presidente?

– Os primeiros cinco anos dele foram bons, mas o primeiro semestre deste ano foi uma tragédia. Se fechou, colocou o pessoal dele e errou tudo.

Foi criada uma comissão para gerir a crise. Vai haver intervenção?

– Não é uma intervenção. É para as pessoas possam ver a situação para saber se realmente querem ser presidente.

São muitos os pré-candidatos por enquanto, mas todos têm um discurso de oposição ao presidente atual. Há chance de ser formada uma chapa única?

– Existe uma situação até curiosa hoje. Em 2009, quando o Maurício entrou, a situação (financeira) do clube não era boa, mas era bem melhor do que essa. Agora que a situação é muito pior tem um bando de gente querendo ser presidente.

Alguma chance do senhor ser candidato?

– Não, não… Eu não posso…

O Durcésio Mello é seu candidato à presidência?

– Não, não… O Durcésio não é meu candidato. Ele é uma das pessoas que vai olhar (através da comissão para geria a crise) qual é a situação do Botafogo para decidir se quer ser presidente.

Fonte: Extra Online