Atenção, clubes brasileiros que procuram um camisa 10: Walter Montillo está a três meses do fim de seu contrato com o Tigre-ARG. O recordista de assistências do Campeonato Argentino, inclusive, já pode assinar um pré-contrato com qualquer interessado. E a ideia de voltar ao Brasil é algo que agrada, apesar do carinho pelo Tigre, que o acolheu no momento mais difícil de sua carreira.

“Tenho um carinho enorme pelo Brasil e estudaria se aparecesse alguma coisa”, reconhece o meia, em entrevista exclusiva ao Blog, por telefone, direto da Argentina. 

Ainda assim, ele não esconde que daria preferência ao Tigre neste momento, caso o time se mantivesse na primeira divisão. 

“Foi o clube que me abraçou, entendeu meu problema e criou um plano de trabalho e de treino, para que eu pudesse voltar a jogar.”

Para quem não se lembra, Montillo chegou a anunciar a aposentadoria em 29 de julho de 2017, quando ainda vestia a camisa do Botafogo. A decisão, tomada com 33 anos de idade, teve a ver com os quatro estiramentos praticamente seguidos que o impediam de jogar.

“Voltei para a Argentina e comecei a conversar com algumas pessoas, que não aceitavam a forma da minha aposentadoria. Então, decidi fazer uma última tentativa, apoiado num projeto do Tigre. Voltei a jogar em julho passado e não sofri nenhuma contusão. Nenhuma! Posso dizer que sofri bastante na época do Botafogo e agora estou curtindo a nova fase.”

Em 15 jogos com a camisa do Tigre, Montillo soma sete assistências, superando todos os outros jogadores do Campeonato Argentino – Zárate, do Boca Juniors, e Carabajal, do Patronato, aparecem em segundo, com seis assistências, cada.

Hoje com 34 anos de idade, Montillo ainda soma três gols. A única lamentação é com o fato de o Tigre correr risco de rebaixamento. “Aqui na Argentina, o rebaixamento é feito por uma média dos últimos campeonatos e nós estamos nessa briga.”

O meia, que ainda passou por Cruzeiro e Santos no futebol brasileiro, reconhece que, se voltar ao Brasil, tentaria ouvir com carinho uma proposta do Botafogo. 

“Não me sinto em dívida com o clube, por ter jogado pouco. Até porque as contusões não ocorreram por minha vontade, mas o Botafogo teria uma prioridade. Mas eu preciso dizer que até agora não fui procurado por ninguém.”

Antes de se aposentar, em 2017, o argentino chegou a fazer 17 partidas pelo Botafogo, sem marcar qualquer gol.

Fonte: Blog do Jorge Nicola - Yahoo!