A possível entrada dos irmãos Moreira Salles para ajudar o Botafogo a sair do abismo financeiro em que se encontra segue repercutindo da torcida até membros da atual diretoria. Em entrevista à Rádio Globo nesta terça-feira, o vice-presidente financeiro do Glorioso, Luis Felipe Novis, falou sobre essa iniciativa dos empresários botafoguenses e afirmou que as mudanças podem ser concluídas até meados do ano que vem.

Novis enfatizou a necessidade de uma mudança no modelo de gestão do clube, sob risco de o Botafogo se distanciar ainda mais de rivais com maior poderio financeiro hoje em dia e passar a ter um papel de mero coadjuvante no futebol brasileiro. Essa mudança passa por um estudo que está sendo desenvolvido pela empresa de auditoria Ernst & Young, contratada pelos irmãos Moreira Salles.

– Já havíamos concluído que o modelo tradicional de fazer operações de empréstimo de curto prazo para apagar incêndios, baseado em adiantamentos como garantia, é um modelo que não nos leva a muita coisa. Nossa dívida continua alta, nossos compromissos continuam grandes no Profut, no Ato Trabalhista, nas dívidas cíveis. Esse modelo temos certeza de que não vingaria por muito tempo, então tínhamos que procurar alternativas menos conjunturais e mais estruturais. E esse modelo é possível que surja em função do trabalho encomendado pela Ernst & Young, que apresentará uma proposta aos irmãos. Eles analisarão, e depois isso será submetido ao Botafogo e a seus poderes para que seja definido até meados do ano que vem, talvez – explicou.

– A subsistência do Botafogo não depende exatamente disso, pois se mantivermos durante os próximos 20 anos administrações sérias e responsáveis, continuaremos mantendo o clube, mas num patamar muito abaixo do que se espera do Botafogo. O fosso do Botafogo e de outros clubes aqui do Rio, como Fluminense e Vasco, em relação a outros clubes do país, principalmente os grandes de São Paulo, vai cada vez aumentando e ficaríamos como mero coadjuvantes, disputando para não cair para a Série B… Esse fosso está aumentando muito rapidamente, daqui a 20 anos ele estaria praticamente intransponível, é um ciclo negativo. Ou seja, tecnicamente, com menor qualidade, suas receitas seriam menores e mais tempo ainda você teria para resolver os problemas – completou.

Hoje, a dívida do Botafogo está estipulada em cerca de R$ 700 milhões. Luis Felipe Novis acredita que a entrada dos irmãos Moreira Salles, atrelada a uma mudança no modelo de gestão do Botafogo, seria crucial para que o clube volte a ser protagonista nos campeonatos nacionais e concorra de igual para igual com instituições hoje mais poderosas financeiramente, como o Palmeiras:

– Esse tipo de modelo com uma injeção substancial de recursos, qualquer que seja o modelo adotado, seja empresa específica ou compra de dívida, por exemplo, é fundamental para que a gente consiga reverter essa situação num prazo mais curto, para que o Botafogo possa rapidamente ter condições de ter um plantel no futebol que o mantenha competitivo junto aos cinco maiores clubes do Brasil, em iguais condições. Nesse ponto que é fundamental esse tipo de parceria.

Fonte: Redação FogãoNET e Rádio Globo