O MPRJ vai retirar o pedido de afastamento do cargo de Anderson Simões. O dirigente deixou o posto de vice-presidente de estádios do Botafogo, no último dia 1º, por conta de uma medida cautelar acatada pelo Juizado do Torcedor. O entendimento do órgão é de que, como não houve denúncia contra o dirigente na segunda fase da Operação Limpidus, a ação não se sustenta mais.

Isso não significa, no entanto, que o dirigente escapou da mira da operação, que apura o repasse de ingressos feito pelos clubes às organizadas. Como disse o promotor Marcos Kac, que atua pelo Grupo de Atuação Especializada do Desporto e Defesa do Torcedor (Gaedest), em coletiva na última segunda, todos os que tiveram o nome ligado à investigação podem ser chamados a depor novamente ou até denunciados.

Simões foi flagrado em escutas telefônicas com membros de organizadas. Nelas, o dirigente alvinegro discutia a entrega de bilhetes para estas torcidas. Na primeira fase da operação, a polícia apreendeu dois facões em sua sala no Nilton Santos e ele foi conduzido coercitivamente para depor.

Fonte: Blog Panorama Esportivo - O Globo Online