A obra na cobertura do Estádio Nílton Santos não será entregue no prazo estabelecido pelo consórcio responsável pelo reparo. A data prevista para liberar os 45 mil lugares do estádio é 31 de julho, mas os engenheiros responsáveis não conseguirão retirar as torres provisórias que sustentam a cobertura em dois dias. Com isso, o consórcio deve anunciar, até sexta-feira, um novo prazo para a entrega da capacidade total do Nílton Santos.

Entre as pessoas que participam da obra, o atraso já era esperado. O cronograma, porém, seguia de pé, com a expectativa de retirar grande parte das 34 torres provisórias até o fim de julho. O problema é que, até esta quinta-feira, apenas oito torres foram desmontadas.

A tendência é que o consórcio solicite mais um mês de prazo para entregar os 45 mil lugares. Todas as 34 torres provisórias seriam retiradas em 15 dias. Publicamente, os engenheiros não falam abertamente sobre o atraso, sustentando que o cronograma será respeitado.

O Botafogo, por sua vez, já considera certo o atraso. O Alvinegro ainda não foi comunicado oficialmente sobre quando terá o seu estádio sem limitações, mas já se movimenta para ter noção dos problemas enfrentados nas obras da cobertura e sobre quando o clube o terá com sua capacidade máxima.

Em junho, o Jogo Extra adiantou que o consórcio enfrentava dificuldades para entregar a obra a tempo. O Estádio Nílton Santos passa, neste momento, por três obras distintas. Além do procedimento na cobertura, acontecem as obras para os Jogos Olímpicos do Rio, em 2016, além da renovação do entorno do estádio.

Fonte: Extra Online