Embora o Engenhão esteja há quase dois anos fechado, não há monotonia em seus arredores. Britadeiras, tratores, enxadas, pedras, madeiras, vergalhões, buracos, poeira e barulho compõem a rotina do entorno. Um caos que não permitiu ao Botafogo fazer no estádio seu jogo de estreia no Estadual, contra o Boavista, no dia 31 — ele será em São Januário — e amargar prejuízos.

— Podemos fazer a conta do prejuízo — afirmou o presidente do clube, Carlos Eduardo Pereira, que hoje terá nova reunião com a prefeitura do Rio para falar do assunto: — Temos um acordo operacional com eles e vamos fazer essa avaliação das perdas.

A prefeitura prometeu retirar os entulhos no dia 31, mas estágio das obras lança dúvida sobre promessa
A prefeitura prometeu retirar os entulhos no dia 31, mas estágio das obras lança dúvida sobre promessa Foto: Guilherme Pinto / Agência O Globo

As condições dos arredores do Engenhão e de seu interior aumentam a desconfiança sobre a promessa da Secretaria Municipal de Obras de que a área estará livre de entulhos no prazo anunciado: dia 31. Na verdade, reforçam as dúvidas sobre quando o estádio será reaberto.

— Trabalhamos com um prazo de seis rodadas para voltar ao Engenhão. Depois disso, será o jogo contra o Flamengo. E aí não vamos mais querer mandar jogos fora de nossa casa — disse Carlos Eduardo, que se desculpou pelo imprevisto: — Só nos resta pedir desculpas ao torcedor. Porque não temos ingerência sobre as obras.

Obra no Engenhão deixa entorno do estádio repleto de ameaças à segurança do torcedor
Obra no Engenhão deixa entorno do estádio repleto de ameaças à segurança do torcedor Foto: Guilherme Pinto / Agência O Globo

Embora os alvinegros evitem reclamar publicamente da prefeitura, sobra insatisfação em General Severiano. O departamento comercial já vinha negociando espaços publicitários no estádio, acordos que foram prejudicadas. Conversas sobre vendas de camarotes também entraram em banho-maria.

Além disso, o televisionamento do amistoso contra o chinês Shandong Luneng, que acontece amanhã, no Engenhão, ficou ameaçado, já que as obras devem inviabilizar a entrada de equipes de TV. Sem transmissão, o patrocínio pontual que ocuparia a parte de trás da camisa terá que ser adiado. Faltam dedos aos alvinegros para contabilizar o prejuízo.

Vergalhões levam perigo aos moradores no entorno do estádio
Vergalhões levam perigo aos moradores no entorno do estádio Foto: Guilherme Pinto / Agência O Globo

 Tubulação em risco

Não é só o lado externo do Engenhão que tem dado dor de cabeça para os alvinegros. A cada visita dos dirigentes, que têm visitado o estádio constantemente, eles descobrem um novo problema. A tubulação de água está desgastada e com ar. Há o temor de que, ao reabri-la, os canos não resistam e se rompam. Os elevadores também apresentam problemas, assim como os geradores de luz, que podem não funcionar caso seja preciso acioná-los.

— Entregamos o estádio em pleno funcionamento e nos devolveram em um estado totalmente diferente — reclamou um dirigente.

Pedras e pedaços de pau compõem o cenário do entorno do Engenhão
Pedras e pedaços de pau compõem o cenário do entorno do Engenhão Foto: Guilherme Pinto / Agência O Globo

Já do lado de fora, os operários correm para cumprir o prazo estabelecido pela prefeitura, de que tudo esteja pronto no dia 31. As obras, que atrapalham comércio e moradores, vão até as 22h. Segundo um funcionário, todo o entorno será entregue sem acabamento para que a promessa seja cumprida.

Fonte: Extra Online